terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Gustavo B

Mas quem eu ando ouvindo mesmo muito ultimamente é o Gustavo B.
Ele escreve e toca coisas que até parece que fui eu quem fiz.

Romance

Foi uma pena, não consegui ver o Nei Lisboa de novo na minha estada em Porto Alegre.
Nei Lisboa

G9 D6/F#
Todas as bobagens que eu já disse
Em Asus4 D Em7 F#m7
Dariam pra encher um caminhão
G9 D6/F#
Mesmo assim encontro no caminho
Em Asus4 D Em7 F#m7
Milhares mais otários do que eu

G
Por isso meu amor
D
Não leve tão a sério
E
Nem o que eu digo
Em Dsus2
Nem o que eu deixo de esconder
G
Não vai ter graça o dia
D
Em que eu bater a porta
E Em A7(#5) (dedilhando)
E você não abrir pra responder

G9 D6/F#
Todas as pessoas que eu conheço
Em Asus4 D Em7 F#m7
Cabem bem juntinhas na palma da mão
G9 D6/F#
Pra você guardei um universo
Em Asus4
Quando falta espaço, eu faço um verso
D Em7 F#m7
E durmo na canção

G
Por isso meu amor
D
Não pense que é brinquedo
E Em Dsus2
Eu tenho medo e morro de paixão
G
Não vai ter graça o dia
D
Em que eu abrir a porta
E Em Dsus2
E a tua mão vazia disser não

G9 D6/F#
Todas as bobagens que eu já disse
Em Asus4 D Em7 F#m7
Dariam pra encher um caminhão
G9 D6/F#
Pra você guardei um universo
Em Asus4
Quando falta espaço, peço teu perdão

G
Por isso meu amor
D
Não leve tão a sério
E Em Dsus2
Se eu morro de medo, brinco de paixão
G
Não vai ter graça o dia
D
Em que eu te vir na porta
E Em Dsus2 Em7 F#m7 G
E não souber se entro ou faço uma canção

Sobre nós dois

Um dos cd's que comprei em Julho no Brasil foi

Sobre nós dois e o resto do mundo do Frejat

Obs.: O A e o A7+ se dividem na mesma batida. (um só tempo)

Intro A A7+ D

A A7+ A A7+ D
Teu olhar me acompanha do outro lado da rua
A A7+ A A7+
Um sorriso discreto
D
E hoje a noite é minha
D
Seu andar folgado me chama
B
Da morte ela morre de medo
E F#m
E já disse que me ama
E F#m A
Mas tem que ser em segredo

D A
Sobre nós dois
B
Ninguém vai saber de tudo
D A
Parece uma partida
B
Contra o resto do mundo
A A7+ D
O resto do mundo...

A A7+ A A7+
Ela vibra como criança
D
Vestida pra mim está nua
A A7+ A A7+
Dormindo é quase uma santa
D
Nasceu sorrindo pra lua
D
Teu andar folgado me chama
B
Da morte ela morre de medo
E F#m
E já disse que me ama
E F#m A
Mas tem que ser em segredo

G A
Eu até sonhei com isso
G A
As coisas mais loucas com ela eu arrisco
E
Com ela eu arrisco...

Final: A A7+ D

A aparelhagem autónoma

A janela deixava entrar a luz e o ar com que respirava.
E a sua aparelhagem lhe fornecia toda a música que necessitava para sobreviver.
Até hoje ele lembrava do dia em que a aparelhagem havia falhado. Que desastre, que desespero, que nervos. E ele trazia um cd novo para ouvir. Parecia pessoal o negócio. Parecia que a aparelhagem tinha algo contra ele.
Ele ia entrando no bom da música, passava o refrão, ouvia a chamada para os outros versos da música e rsshuahh, o cd fazia um barulho e começava a saltar por diferentes trechos das canções.
(…) És mesmo o meu (…) palhaço (…) gosto de cantar (…) olha que coisa mais linda (…) seu desafinado (…)

Devaneios

Lá estavam os dois, na mesa do bar.
Ele preocupado com a cerveja, ela perguntando um monte de coisas. Ele começou a reagir. Começou a responder que sim. Enquanto pensava na cerveja, que tinha pouca espuma, ia fazendo o diálogo andar. “Claro”, “sim, sim”, “também acho”, “pois é”.
“Realmente é uma vergonha inadmissível”, “Amor, achas que sim?”, “Claro que sim”, “Pronto, então vamos mesmo casar na Igreja”.
Acordou.
“Como?”, “Se achas uma vergonha casar só no civil, vamos nos casar na Igreja também, não sabia que achavas tão embaraçante”.

Back-up

Peça para fazer o back-up.
Mas chega pedir. Não pense que o resultado prático disso é visível. Não pense ou não se canse a procurar os arquivos. Já estão guardados, para que procurá-los?
Deixe-os estar.
Caso queira mesmo assim ir à procura deles, deve aprender a trabalhar em minas, porque para recuperar um arquivo que fica gravado em um back-up é preciso ter alguma qualificação nesta área.

É fácil falar

Palco Oriental. Todos tomando café.
Dizem-me: faço parte do coro de qualquer sítio.
Dizem-me: tenho duas coisas que gostava de aprofundar, gostava de fazer um mestrado em algo relacionado com música e outro relacionado com política.
Digo: é necessário fazer primeiro as coisas mais importantes.
Evidentemente a música.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Pretensões para 2009

2008 foi um ano difícil. Bem difícil. O segundo semestre então foi super difícil e super entediante.
O que aprendi é que tudo o que se quer fazer se consegue executar, mal ou bem. Tive que aprender. Não queria ter aprendido o quanto o meu suor vale. Mas é assim mesmo. O meu suor põe as coisas no lugar e apaga imensos fogos. Porquê logo eu, é a pergunta.
Não estou sozinho. Tenho mais 3 pessoas assim. Somos poucos, mas ao mesmo tempo somos os suficientes. A vontade e a motivação é um motor de possibilidades infinito.
2009 não vai ser assim tão difícil e tão chato. Vai ser fácil, risonho e as coisas vão fluir positivamente.
Todos vão fazer um pouquinho e deixarei de estar tão sobrecarregado. As pessoas vão valorizar os seus papéis, seus cargos e lugares. Sua actividade. Tudo vai dar certo. Passarei a coordenar mais e a executar menos.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

5:30 às 7:30

Hoje acordei a meio da madrugada, doente. Não conseguia voltar a dormir.
A resposta do meu corpo e da minha cabeça foi desatar a trabalhar - escrevi 3 artigos para o Sabiá, de uma assentada. É preciso melhorar os mesmos, é claro, mas estão lá os textos e as ideias.
Espero, no entanto, não repetir. E que sirva de impulso para o Sabiá cantar antes do fim de Dezembro de 2008.

Formas

Não consigo entender. Eu achava que estava de uma forma e no fim das contas desperto sensibilidades diferentes.
Acho que foi só desta vez, no entanto. Sentia-me diferente, sinceramente. Mas desperta-se aquilo que se desperta em situações de extrema pressão. Há quebras, claro. Acho que deve ser normal. O grande avanço que é eu admitir isso.
Natal, Natal, chega depressa com muita música.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Trabalhar concentrado

Se hoje eu fizer as 3 coisas em atraso que tenho serei o gajo mais feliz do mundo. Ainda que seja por pouco tempo...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Love Song - The Cure

Intr: e|---7---|
B|---5---|
G|---5---|
2x || Am | G | F | Em ||

Am G F Em
Whenever I'm alone with you
Am G F Em
You make me feel like I am home again
Am G F Em
Whenever I'm alone with you
Am G F Em
You make me feel like I am whole again

Solo: 2x || Am | G | F | Em ||
|---------------------------------|
|------3/5--3------5--31p0--0----|
|---5-----------------------------|
|---------------------------------|
|---------------------------------|
|---------------------------------|

Am G F Em
Whenever I'm alone with you
Am G F Em
You make me feel like I am young again
Am G F Em
Whenever I'm alone with you
Am G F Em
You make me feel like I am fun again

F G
However far away
Am Am
I will always love you
F G
However long I stay
Am Am
I will always love you
F G
Whatever words I say
Am Am
I will always love you
F G Am Am
I will always love you

Am G F Em
Whenever I'm alone with you
Am G F Em
You make me feel like I am free again
Am G F Em
Whenever I'm alone with you
Am G F Em
You make me feel like I am clean again

F G
However far away
Am Am
I will always love you
F G
However long I stay
Am Am
I will always love you
F G
Whatever words I say
Am Am
I will always love you
F G Am
I will always love you

Novo repertório

O que trabalhei (e tenho trabalhado) nos últimos 10 dias:
Sozinho - Caetano Veloso;
Sina - Djavan;
Comigo - Zeca Baleiro;
Paciência - Lenine;
Romance - Nei Lisboa;
Nebulosa do Amor - Paralamas do Sucesso;
Fátima - Capital Inicial:
Daniel na Cova dos Leões - Legião Urbana.

p.s. - que bom que há a música para nos lembrar das coisas que são verdadeiramente importantes.

Chumbos previstos

Saber que se está do lado do certo e não do lado da tirania ajuda muito.
Nunca foi tão fácil responder a iniciativas. Iniciativas tão inacreditáveis. Como podem pensar que merecemos tanta desconfiança?
Como eu disse hoje de manhã para a rádio: preocupante seria se o Parlamento aprovasse os projectos de lei.
Mas não foram aprovados, como é óbvio.
A vida segue. Há uns que estão investindo lá para os extremismos. Talvez ganhem meia-dúzia de votos de quem tenha medo dos que vêm de fora. No entanto, perderam toda a credibilidade para quem acredita nos direitos humanos e quem luta pelos mais fracos.

O Grêmio não foi campeão brasileiro

O São Paulo é que foi.
Mas isso pouco me importa. O importante é que o Grêmio não ganhou.
E foi como eu disse no anterior post, bem certinho. O São Paulo quis ser campeão só no último domingo.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

São Paulo quis dar emoção

Entretanto, no fim de semana, o Grêmio ganhou e o São Paulo empatou. O Cruzeiro, coitado, não tinha chances e foi cilindrado pelo Inter.
Assim o São Paulo perdeu tempo e só festeja o título no próximo Domingo.
Para os gremistas é interessante a perspectiva. Podem ficar sonhando utopicamente de que poderão ser campeões. Vão morrer na praia, tal como eu tinha vaticinado desde há umas semanas.

Brilhante!

Notícia do ClicRbs:
Brilhante. Foi assim que a Conmebol descrevou o Inter após o dramático empate na prorrogação com o Estudiantes e a conquista do título da Copa Sul-Americana. O site da entidade destaca a grande campanha colorada na competição e diz que a final foi recheada de muita emoção.
– No segundo tempo da prorrogação, quando o encontro alcançava o ponto mais alto de emoção, uma jogada com vários rebotes na área após um escanteio cobrado por D'Alessandro terminou nos pés de Nilmar, que aproveitou para mandar a bola para o fundo das redes e conseguir o gol e a ansiada taça de campeão.
A Conmebol ressalta ainda que o Inter se torna o primeiro clube brasileiro campeão da Sul-Americana, além de ter conquistado o quarto título internacional em pouco mais de dois anos.
* foto de Valdir Friolin

Campeões da Sul-Americana

Elevar a bandeira do Inter lá no alto, os Campeões da Copa Sul-Americana!
Depois de um jogo dificílimo e dramático! 1-1 com os Estudiantes.
Viva o Internacional de Porto Alegre, o time do povo do Rio Grande do Sul! O primeiro time brasileiro a ganhar a Sul-Americana! O único time brasileiro a ganhar todas as provas sul americanas!
Os heróis da noite dificílima:
Lauro; Bolívar, Danny Morais, Álvaro e Marcão; Edinho, Magrão, Andrezinho e D’Alessandro; Alex e Nilmar. Técnico: Tite.
Rádio Gaúcha: O Inter passou a ser o grande papão das provas Sul-Americanas, junto com o Boca Juniors.

O Estudiantes fez 1-0, há uns minutos

Vamu lá Inter porra!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

A Sul-Americana é nossa!

Hoje o Inter irá festejar a conquista da Copa Sul Americana, um título muito bem-vindo.
Será a primeira vez que um time brasileiro conquista a Sul-Americana. É o Inter fazendo história, como quando bateu o temível Barcelona de Ronaldinho Gaúcho na Final da Taça Interclubes da FIFA.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Agora já tenho dúvidas

O post anterior foi antes de todo o Congresso.
Tenho o maior dos respeito pelo PCP - aliás por isso no post anterior o título é "há mais pessoas no PCP".
Espero que haja (mas agora já tenho mais dúvidas), pois à tarde eramos bombardeados com discursos acerca da maldade presente nas esquerdas que não digam respeito ao PCP. O PCP quer clarificação. O PCP convive mal, nas palavras pelo menos, com as outras forças de esquerda, tirando os Verdes. O PCP acha que todas as forças tem de ser iguais ao PCP. Deverão todas votar Jerónimo?
O discurso foi um desastre nesta parte. Parecia uma aula sobre os procedimentos do combate político. E uma aula sobre portas fechadas.
É uma pena as outras esquerdas serem tão atacadas com um discurso de fechamento. É o contrário do que defendem, aliás. Sócrates agradece. E não sei qual esquerda beneficia com isso. O PCP não é de certeza.
Quem é a verdadeira esquerda não devia ser o debate do momento, mas sim como é possível unificá-la (em termos de objectivos, não de estrutura) para ter uma expressão eleitoral o mais forte possível. A ideia que passa é que o PCP acha que o BE - "social-democratizante" - não merece esta oportunidade.
Acho que o tiro não correu bem ao PCP. O sectarismo não é o caminho e as pessoas percebem isso.
E, pessoalmente, devo dizer que fiquei muito desapontado. Acho que se a luta eleitoral se desenvolver também entre a esquerda verdadeira (na qual incluo o BE e o PCP, obviamente) só quem beneficiará será o PS de Sócrates (a direita, portanto), perante a desunião e a dificuldade (não só concreta e sim num plano até abstracto) de uma plataforma de esquerda governar o país.
Nada mais desmobilizador e facilitador da entrada em cena do centrão PS-PSD.

sábado, 29 de novembro de 2008

Há mais pessoas no PCP

Odete Santos à Sic Notícias, antes do Congresso do PCP, no Campo Pequeno:
- o Bloco de Esquerda tem uma ideologia pequeno burguesa;
- pode haver convergências com o BE, mas esporádicas e muito pontuais, por exemplo, para aprovar projectos de lei;
- o Alegre, que não tem tanta frontalidade como o PCP contra esta política do Governo, não se aguentaria numa convergência com o PCP;
- mais vale uma convergência com o Alegre do que com o BE, os pequenos burgueses;
- não querendo justificar o que se passa na Coreia do Norte, lá há uma cultura forte do chefe que aqui não há;
- não gosta de facções, um partido é um partido, nada de facções.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Conjugador de verbos

Poderia, pode, poderá dar jeito.
No link, um conjugador de verbos.

Depois de tanta coisa...

Já Só Faltava

Perguntas que não querem calar

Afinal, Lisboa é ou não é gente?
E o Zé faz falta ou não faz falta? A quem?

Lição aos Estudiantes

1) O mais difícil era ganhar lá.
2) 1-0 no bolso, já um investimento directo para a Taça. Agora é só ter força em Porto Alegre. Evidentemente teremos.
3) Não me esqueço que no começo do ano andaram querendo negociar o Alex, a grande figura do Colorado na Sul-Americana.
4) Foi heróica a lição que demos aos Estudiantes de La Plata, tendo o Inter jogado com um a menos, desde os 25 minutos do primeiro tempo. O Verón dos outros jogou. Um Verón não faz um ano inteiro - que bom mandar uma piada sem graça à conta do outro time e, especialmente, de sua "grande" estrela.
Os heróis do Inter:
Lauro; Bolívar, Índio, Álvaro e Marcão; Edinho, Magrão, Guiñazu e D'Alessandro (Sandro); Alex (Gustavo Nery) e Nilmar (Danny Morais).
Técnico: Tite.

Sarau do Ocidente

Vitor Ramil, Fito Paez e Charly Garcia para matar as saudades (talvez assim até se crie mais...) de Porto Alegre.
De repente parece que estou na Oswaldo Aranha, pertinho da Livraria Londres, e que na próxima terça poderei ir ao Ocidente participar no Sarau Elétrico.

Jazz em paz

Se já ando com saudades de tocar guitarra, em paz, e sinto falta da minha Epiphone (que vai jazendo e não jazzando, em sua caixa), com mais saudades fiquei depois de ver este video - que é super simpático com a minha Epizinha ao compará-la com a irmã mais rica.
Uma boa guitarra a um preço aceitável é o que diz, em outras palavras.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

16000 e 300

16000 e 300 são dois números do dia de hoje.
A aldeia chegou às 16000 entradas e aos 300 posts escritos em 2008.
Outro número importante: este é o primeiro post de sempre que conjuga duas informações sobre números (3, na verdade, com esta).

O Tigre os Lobos - parte IV - afinal é uma novela

Fala-se de novo em tigres, lobos, tocas novas e tocas velhas.
O tigre nem sempre se portou bem. Quase transformado em lobo, caçou o que não devia, fez amizade com quem não devia, inclusive com um urso que lhe deu um grande abraço.
Acabou por nem ser atacado pelos lobos, que adoram-no. Nunca viram um tigre tão lobo e que seja tão igual a eles.
E agora tigre, como te explicas? Eras um lobo com pele de tigre?

6-2

7 notas não convertíveis:
1- grandes gols do Brasil. Dois espectaculares. Um deles de Elano, na foto. Não o conhecia, belo cartão de visita;
2- afinal o Scolari não era tão mau. Talvez fosse ele mesmo que punha Portugal a jogar com eficácia;
3- eu preferia contar com os 11 "maus" e "sempre os mesmos" de Scolari, do que com os 11 em "grande forma" do Queiroz. O Ricardo afinal não era o culpado de tudo. Queiroz o destruiu à partida;
4- Queiroz é um problema para a selecção portuguesa. Uma escolha que foi legítima, que merecia grande expectativa, mas que é um desastre e um naufrágio;
5- Scolari também teve alguns problemas, mas chegou onde Portugal com dificuldade chegará de novo. E os problemas eram convertidos numa selecção temida na Europa;
6- Queiroz transformou diamante em carvão e contribuiu para o enfraquecimento mental dos jogadores portugueses. É difícil recuperar agora;
7- mudam-se os tempos, mudam-se as má-vontades. Muitos anti-Scolari gostariam de tê-lo de volta. É melhor criticar quem vai ganhando (apesar de ser mais difícil) do que criticar quem perde.

Orgulho colorado

Já está definido o segundo lugar da Copa Sul-Americana: Estudiantes de la Plata.
A final da Copa Sul-Americana começa a jogar-se amanhã e frente a frente estarão Internacional de Porto Alegre e os Estudiantes. Parece que entre os Estudiantes joga aquele jogador que não vingou na Europa e teve de voltar às pressas para Argentina, o Verón. Tanto medo tenho dele. Não trocava ele por nenhum jogador do Inter. Talvez pelo Clemer.
Não deixa de ser engraçado o Inter, feito de craques e de grandes jogadores de futebol, ter de jogar contra estudantes na final. E que ainda por cima só se preocupam com "plata". Já mandei um mail ao Nilmar e pedi para não darem a surra que deram no Whisky novo "Chivas", que saiu de Porto Alegre com 4 gols na bagagem e nenhunzinho para contar o feito que seria conseguirem marcar um gol ao rolo compressor colorado.

Paz colorada

1º São Paulo 71
2º Grêmio 66
3º Cruzeiro 64
4º Palmeiras 64
5º Flamengo 63

O São Paulo ganhou. O Grêmio perdeu. O título vai fugindo a sete pés dos tricolores do Chiqueirão e o Grêmio dificilmente (para não dizer que é já uma impossibilidade, porque o São Paulo poderá desistir de ser campeão, ou o clube falir, ou os jogadores fazerem greve, ou resolverem ir todos para as Maldivas de férias antecipadas) será o primeiro lugar do campeonato.
Vale a pena dedicar um post à paz colorada.
Paz maior, se o Grêmio ficar de fora do G4 que dá acesso à Libertadores e mesmo isso já é possível. Quem sabe o Grêmio nos dá mais essa alegria?
Eu pessoalmente, acho que o Grêmio fez bem em descansar no fim do campeonato. Venceu o primeiro turno, foi "campeão" do primeiro turno do brasileiro, este grande título que não dá direito a taça, mas isso é só um detalhe, e deitou-se no conjunto de cama e toalha ali da foto.
Fica bem ser campeão do primeiro turno e perder depois no fim. Aliás é inédito na nova fórmula do campeonato. Nunca um campeão do primeiro turno tinha perdido a liderança no finzinho da prova.
Por isso, deixo aqui os meus parabéns ao Grêmio pelo feito inédito.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Outubro terminou

Só hoje, às 2.38 da manhã, Outubro terminou para mim. Nada estranho, para um mês que tinha mais tarefas do que os dias do calendário poderiam suportar.
Novembro devia ser mais tranquilo, mas herda um monte de pendências do seu antecessor.
Vamos ver como corre este mês de 2 semanas - o mais curto de minha existência.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Eu e o meu professor de guitarra

Guz:
Então e nós? terminamos?
SN diz:
posso ligar mais logo?
É que estou de saida para dar aulas
Guz diz:
n me digas q vamos terminar pelo telefone!
SN diz:
lol
claro que não
eu mandei-te uma série de mensagens aqui pelo messenger mas não deves ter visto
um abraço
ligo mais logo
Guz diz:
ok
abraço

Montes

Afinal o Grêmio teve montes de sorte e ganhou do Palmeiras.
Não faz mal, não vai dar para chegar ao título.

sábado, 8 de novembro de 2008

O fim de um sonho

O Grêmio está mesmo lixado.
Tem jogo fora com o Palmeiras, em São Paulo, amanhã.
Meu prognóstico: vitória do Palmeiras por 2x0, abrindo 4 pontos de vantagem sobre o tricolor gaúcho e quase acabando de vez com as chances (que são só matemáticas) da agremiação do Estádio conhecido como "chiqueirão" ganhar o Campeonato Brasileiro.
Enfim, são apenas nestas ocasiões que tenho diferenças com o meu queridíssimo amigo RV, o único blogueiro gremista que tenho paciência para ler e o único gremista que merece um link neste blog, ainda que a esperança que ele alimenta no título, expressa em textos que são muitíssimo bem escritos (terá ele aprendido a escrever assim no IE?), se aproxime do fanatismo.
Apesar de não dever escrever o que se segue, se fosse só pelo rafa torceria para o Grêmio ser campeão. Mas com o trato de que ele nunca poderia falar sobre esse assunto comigo.
Portanto, condições impossíveis.
Vamos lá Palmeiras! Arrasem o Grêmio!

Auto-estima

Evidentemente votei na b).
Nenhum acesso a uma competição deve valer o abdicar da auto-estima e da supremacia de títulos do Inter na história recente das competições.
Mas o que queria mesmo era ir à Libertadores e o Grêmio não ser campeão.
Se bem que o melhor mesmo era o Grêmio descer de divisão e o Inter ser campeão. Isso é que era.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Memória

"O PS é que infelizmente votou contra aquilo que tinha dito em 2003"

Cambalhota de ideias

A cambalhota foi dada. A mentira tomou corpo de forma irreversível.
O PS acaba de aprovar o Código do Trabalho na Assembleia da República.
Como é possível auto proclamarem-se uma força de esquerda?
Isso nem sequer é colocar o Socialismo na gaveta, é uma prova de uma esquizofrenia preocupante do PS. Em 2003 (!) votaram contra o que estão a piorar agora!
É inacreditável. Não sei como tantos "socialistas" tiveram tanta cara de pau hoje no Plenário.
Não sei como dormem descansados sequer. Será que dormem?
Apenas 5 socialistas tiveram vergonha e votaram contra o Código: Manuel Alegre, Teresa Portugal, Júlia Caré, Eugénia Alho e Matilde Sousa Franco. Se houve mais algum me avisem e eu coloco. Infelizmente, contam-se com os dedos os socialistas envergonhados.

Semi-finais!

Não se pode ganhar em todos os lugares.
Estou impressionado com o feito do Inter. É fantástico! É tão difícil ganhar do Boca - com Riquelme ainda por cima - sempre um eterno candidato a ganhar tudo na América do Sul e que nós tínhamos tantas dificuldades de vencer. Assim, aproveitamos e vingamos 2004 e 2005.
É isso aí Inter, eleva bem alto a nossa alma e bandeira colorada!
Os craques da Bombonera: Lauro; Álvaro, Índio, Bolívar e Marcão; Edinho, Guiñazu, Magrão e D'Alessandro (Gustavo Nery); Nilmar e Alex. Técnico: Tite
Foto: Cézaro De Luca, EFE

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Assumir e pronto

Engraçado é que depois de toda a conversa do post anterior, parece que sou eu mesmo a única alternativa.
Há lutas intensas por poder em alguns sítios. Há "lutas" por querer oferecer lugares noutros.
Olhar para a frente, assumir e levar adiante. Se não há remédio, remediado está. Não se pode deixar o projecto cair. Isso nunca.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Caminhos, planeamento, entrega, mudança e estabilidade

Às vezes umas decisões, inicialmente, podem não ser bem compreendidas pelos outros.
Talvez. E confesso que fico contente. Inerente a esta incompreensão, existe algum reconhecimento. Que bom.
No entanto, esta decisão, porventura incompreendida, faz todo o sentido para mim. Associativismo é associativismo. É partilha, parcerias, trocas. É responsabilizar outros também.
É levar para a frente coisas, ajudar a empurrá-las, não ser sempre os mesmos a dar a cara.
Ligo pouco a certos papéis, apesar de muitas vezes cumprir as minhas tarefas com o máximo gosto. Sei também que há muitos que adorariam cumprir o que não pretendo renovar.
Porém, também sei que sou muito necessário, neste momento, e por estar muito mais motivado para isso, para o cumprimento de outro papel, no mesmo lugar. E sei que para este papel será melhor eu estar com outro chapéu, que me permitirá estar mais activo e com uma intervenção mais qualificada para dentro e não tanto para fora.
E manterei os vínculos. Pretendo ficar perto do leme, aliás. Simplesmente não tenho, à partida, condições de levar uma jornada tão grande agora, que requer uma entrega tão intensa para todas as tarefas, sendo que há quem neste momento tenha mais força (ou igual) e tenha esta disponibilidade representativa.

Obama

Obama, felizmente.
Que alegria e que alívio.
Esta era a parte difícil.
Agora vem a muito difícil.
Uma coisa já mudou, muitas já mudaram. "Mentalidade" é um ponto assente.
Contente com a vitória, sinto-me mergulhado em cepticismo - traumas brasileiros - mas respirando um balão de oxigénio cheio de esperança. Tentarei fazer render este reservatório, respirarei devagarinho, prometo, mas espero que a Administração Democrática Obama vá enchendo também o meu balão.
Sinceramente, não quero me afogar no cepticismo. Queria poder viver para sempre nesta onda de esperança do dia de hoje.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Sempre em formação

Lições que se aprendem: faz sempre as coisas. Não deixes para os outros, não delegues, não confies. Certifica-te de tudo - pergunta, pergunta, pede, alerta - tenta pensar para além do momento, mesmo que o assunto não seja bem da tua competência.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Antes da praia, um sossego parcial

1º São Paulo 62
2º Palmeiras 61
3º Grêmio 60
4º Cruzeiro 58
5º Flamengo 57
Afinal nem foi preciso chegar à praia.
Combinamos desde já que não se recupera, ok Grêmio?
Pelo contrário, acho que era bom aproveitar para ficar fora do G4 e sequer ir à Libertadores, ok?
Saúdo ainda o Internacional, pela sua maturidade, que deixou o São Paulo passar-lhe por cima (3x0). Pode ser que o saldo de gols venha a ser importante e o momento é delicado e não é para brincadeiras inúteis. Deixem o São Paulo, Palmeiras ou Cruzeiro ser campeões.
Se o Grêmio não for campeão - não podemos ser nós a tirar pontos aos seus opositores - podemos ver se conseguimos ir à Sul Americana (estamos quase).

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Concurso de crimes

Não. Jurídicamente, concurso de crimes não é um evento no qual cada um tenta fazer um crime mais criativo do que o outro, até porque os tipos de crime estão pré-determinados no Código Penal.
Tipos de crime!, não os tipos do crime.

Chocolate

A propósito do vareio que o Grêmio tomou do Cruzeiro, em Belo Horizonte - Cruzeiro 3 x 0 Grêmio.
Carlos diz:
e eu que achava q em minas só tinha queijo, afinal tem chocolate.
Guz diz:
q é isso de chocolate?
Carlos diz:
chocolate é quando um time toma uma goleada a gente diz: que baita chocolate ou so que chocolate bom
Carlos diz:
ou sera meio amargo
Carlos diz:
ahahahhaha
Guz diz:
eheheheh

Morrer na praia

1º Grêmio 59
2º São Paulo 59
3º Cruzeiro 58
4º Palmeiras 58
5º Flamengo 56
Em Porto Alegre não tem praia. Mas é aí onde o Grêmio vai morrer. Felizmente. Até dá outro gostinho à coisa.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

O que ando a fazer à minha vida?

Acabo de recusar dois convites para dois concertos na quinta-feira: Vinícius Cantuária e José Mário Branco.

Musicalidade

Todas estas músicas que ouço, em cada acorde, cada melodia, cada nota, já não sei o que procuro.
Ocasionalmente ouço a tua voz, vejo-te, sinto a tua presença no meio de notas soltas, no meio de concordâncias musicais complicadas e às vezes no mais simples som.
Por vezes rio, há alturas em que me emociono, há momentos subtis e outro vis.
Às vezes desligo o rádio de repente, como o final de um post.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Lavagem de alma

Há umas vezes em que a verdade vem ao de cima, felizmente.
Nem sempre vem. E é difícil vir, ainda por cima quando o debate é mais complicado, quando não querem entender o que dizemos (pelo contrário, querem atacar nossas posições) e quando estamos mais sozinhos.
Mas quando vem é bom aproveitar e, pelo menos, escrever um post sobre a verdade.

4 dias de reuniões

Coimbra e Lagos em 4 dias cheios de intensas reuniões, misturando em minha cabeça, Orçamento do Estado, Código do Trabalho, Lei de Imigração, Pacto Sarkozy e Directiva do Retorno.
Todos os espaços de debate foram muito positivos, com boas intervenções, ideias novas e/ou importantes.
1 hora passeando em Coimbra e 2 imperiais na zona velha de Lagos num bar com britânicos ouvindo Alice in Chains, AC/DC, Led Zeppelin, Megadeth, Metallica e Pearl Jam são minhas lembranças dos intervalos de descanso.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Perguntas e respostas

Dois "eu sei" e um "eu não sei" podem ditar muitas coisas, podem ser uma síntese de muitas conversas, podem significar o início e o final, o alfa e o ómega de tudo, físico e metafísico.
Nem todas as perguntas são passíveis de resposta, nem todas as respostas devem ser dadas, nem todas as respostas são verbalizáveis, nem sempre há respostas suficientemente claras.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Satriani deixa os 15 mais da minha Last

O Joe Satriani acaba de sair dos 15 mais ouvidos da minha tabela da Last.FM.
Ele que liderou a mesma, praticamente desde que descobri (me apresentaram) o site.
O motivo: nos últimos tempos, desde o regresso do Brasil, praticamente só ouço (a minha) música brasileira.
Antes, foram saindo dos "15 mais", aos poquinhos, Steve Vai, Dream Theater, Liquid Tension Experiment, Marty Friedman, John Petrucci, Eric Johson...
Hoje foi o Joe. Um dia ele volta, ou não volta, depende da vontade.

E nas Ilhas...

O Bloco e o PCP passaram a ter deputados nos Açores.
É uma boa notícia.
Notícia com graça é a eleição de um deputado do PPM, no Corvo, graças a 70 votos.
Há associações que elegem representantes com o mesmo número de votos.

des ponts pas de murs

7000 pessoas disseram "pontes, não muros", na cimeira cidadã que há já muito tempo se preparava em Paris (e no mundo).
Subscritores de Portugal: AJP (Acção para a Justica e Paz), AMNISTIA INTERNATIONAL Portugal, ASSOCIACO ABRIL, CBL (Casa do Brasil de Lisboa), COORDENACÃO PORTUGUESA DA MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES, LUTA SOCIAL, OLHO VIVO (Associação para a Defesa do Patrimonio, Ambiente e Direitos Humanos), SOLIDARIEDADE IMIGRANTE, SOS RACISMO.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Azar

Azar para aqui, azar para ali, azar para todos os gostos.
Quem empata com a Albânia não é por azar. E, já agora, quem empata com a Albânia ganha de quem? Claro que ganhará, eu sei. Portugal tem de chegar ao Mundial - tem jogadores para isso. Mas é uma dúvida que se cria.
Porém, falando em azares, Scolari teve azar então, na final do Europeu de 2004. Também na semi-final e decisão de 3.ºs e 4.ºs do Mundial 2006. Recentemente no Euro, nos quartos de final.
Azares em momentos avançados de competições.
Agora dizer que Portugal teve azar com a Dinamarca (com o jogo ganho) e agora com a Albânia, com um jogador a menos, não é nada normal.
Talvez seja um azar sim. Talvez seja azar ver uma equipa temida por muitos há 4 ou 5 jogos, ser agora uma equipa mediana. E sem muitos jogadores diferentes.
Talvez seja azar o soco que Portugal levou na confiança e o facto de parecer estar vulnerável a uma falta de confiança brutal. Este azar, o da falta de confiança, Scolari não permitia. Por isso apostava no seu grupinho, que bem ou mal ia levando longe Portugal.
Talvez sim, seja um azar. O azar que foi Scolari ter ido embora.
Já agora, é bom lembrar como cairia o Carmo e a Trindade se isso ocorresse, um empate em casa com a Albânia, a zero (que não ocorreria) com Scolari.
No entanto, apesar de valorizar o trabalho de Scolari, ele errou gravemente também. Não se pode perdoar o anúncio a meio do Europeu de 2008 de que se iria embora da selecção.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Capelinhas

Do que eu não gosto é daquelas pessoas que andam brincando às corridas, aos quem tem mais aldeias, aos quem tem mais não sei quê, a quem representa quem, ao invés de apostar em parcerias e redes (mas no verdadeiro sentido das coisas, não ficar fingindo ou fazendo conversa de ocasião).
Tais atitudes são um exemplo acabado de uma perda de tempo que só fomenta a divisão. Ainda mais quando se tem um alvo a atingir. Ainda por cima quando não corresponde à verdade, ou não é justo, ou é discutível, ou estás chamando à discussão algo que mais valia estar quieto, despertando maus sentimentos nos outros também.
Talvez se garanta algumas conquistas imediatas, mas certas são as perdas abissais no futuro.
Nossa, chega a ser constrangedor ver as figuras que uns fazem. Talvez achem que estão sozinhos no mundo ou que estão rodeados de bobos. Não estão.
Sorte que eu não tenho tempo para isso. Só tenho a oferecer empenhamento, trabalho e convicção, ainda que não possa me dedicar a uma coisa só durante muito tempo seguido.
O que eu não gosto certamente influencia as minhas futuras tomadas de posição. E se do que eu não gosto são patifarias, a única coisa que posso dizer é que espero poder esquecê-las. Mas se não esquecer (como gostaria de esquecer - odeio remoer chatices e não tenho tempo para tal) o certo é que tentarei dizer à pessoa no momento mais oportuno (para mim, obviamente).
O giro disso tudo é também o que vou aprendendo. Acho que sempre tomei uma boa atitude nas coisas. Entrar de peito aberto, tentar não entrar nos jogos, nas lógicas pré-existentes. Apanha-se, é certo, mas aprender por si próprio vai dando calo, enquanto se mantém a consciência tranquila.
A inocência esta, paulatinamente, se vai perdendo (e se tem vindo a perder). Que pena, espero não acabar me intoxicando. Queria ainda acreditar em algumas coisas que acreditava no início, bem mais edificantes e que borbulhavam esperança. Gostava mais do mundo ideal, muito mais bonito.
É importante frisar que este post não diz respeito a ninguém do meu trabalho ou das instituições das quais faço parte. Felizmente, os visados semi-abstractos não são pessoas com as quais tenho de conversar diariamente.

Viva a força!

Foi bonita a festa pá.
Mais de 1500 pessoas.
Quase inédito. Deu para tudo. Foi muito bom. Maravilha.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Somos todos Migrantes

Jornada de Acção
Concentração/Manifestação
Pela regularização dos(as) indocumentados(as),
contra a onda xenófoba e contra o Pacto Sarkozy

Associações convocam jornada de acção para
domingo, 12 de Outubro, às 15h, no Martim Moniz

Nos dias 15 e 16 de Outubro, o Conselho Europeu reunirá os chefes de Estado e de governo dos 27 para ratificar o "PACTO EUROPEU sobre IMIGRAÇÃO e ASILO", aprovado no conselho de ministros realizado a 25 de Setembro. O Pacto proposto por Nicolas Sarkozy, no contexto da presidência francesa da União Europeia, visa definir as linhas gerais da UE nesta matéria e assenta em cinco pontos fundamentais: organizar a imigração legal, priorizando a adopção do "cartão azul", para recrutamento de mão-de-obra qualificada; facilitar os mecanismos e procedimentos de expulsão e estabelecer nesse sentido parcerias com países terceiros e de trânsito; concretizar uma política europeia de asilo; reforçar o controlo das fronteiras; proibir os processos de regularização colectiva.
Depois da aprovação da Directiva de Retorno, com o voto favorável do Governo português, estas medidas representam mais uma vergonha para a Europa. O tratamento securitário das migrações, a definição de critérios discriminatórios para acesso ao trabalho, o aprofundamento da criminalização da migração, da militarização e externalização das fronteiras através do FRONTEX e a perseguição dos(as) cerca de 8 milhões de indocumentados(as) que vivem e trabalham na Europa - a quem é oferecida a expulsão como única saída -, são medidas que visam consolidar uma Europa Fortaleza, da qual não podemos senão nos envergonhar.
Em Portugal, a recente onda de mediatização da criminalidade e as recentes declarações de responsáveis governamentais que trataram os(as) imigrantes como bodes expiatórios para o aumento da criminalidade, abrem espaço para as pressões xenófobas e racistas, e criam um ambiente propício para a desresponsabilização do Governo. Em causa está a necessidade de regularização de dezenas de milhares de imigrantes que defrontam sérias dificuldades em regularizar a sua situação.
São homens e mulheres que procuraram fugir à miséria, fome, insegurança, obrigados a abandonar os seus países como consequência do aquecimento global e outras mudanças climáticas, ou que muito simplesmente tentaram mudar de vida, mas a quem não foi reconhecido o direito a procurar melhores condições de vida. Tratam-se de pessoas que não encontraram outra opção senão o recurso à clandestinidade, muitas vezes vítimas de redes sem escrúpulos, e que se confrontam com uma lei que diz cinicamente que "cada caso é uma caso", fazendo da regra a excepção e recusando à generalidade dos(as) imigrantes o reconhecimento da sua dignidade humana. Destaque-se a situação dos imigrantes sem visto de entrada, a quem a lei recusa qualquer oportunidade de legalização.
Solidários(as) com a luta que se desenvolve na Europa e no mundo contra as politicas racistas e xenófobas, também por cá vamos lutar pela regularização de todos imigrantes, sem excepção, cada homem/mulher - um documento. É uma luta emergente contra as pretensões de expulsão dos(as) imigrantes, contra a vergonha de uma Itália que estabelece testes ADN como instrumento de perseguição dos ciganos(as), contra as rusgas selectivas, arbitrárias e estigmatizantes, contra a criminalização dos(as) imigrantes, contra a ofensiva das políticas securitárias e racistas, alimentadas pelo tratamento jornalístico distorcido feito por alguns meios de comunicação social. Cientes de que está criado um ambiente de perseguição aos imigrantes na Europa, e rejeitando as pressões racistas e xenófobas dos Governos de Sarkozy e Berlusconi, organizações de imigrantes, de direitos humanos, anti-racistas, culturais, religiosas e sindicatos, decidiram marcar para o próximo dia 12 de Outubro, domingo pelas 15h, no Martim Moniz, uma jornada de acção pela regularização dos indocumentados(as), contra a onda de xenofobia e contra o Pacto Sarkozy.

ORGANIZAÇÕES SIGNATÁRIAS: Acção Humanista Coop. e Des.; ACRP; ADECKO; Ass, Apoio ao Est.. Africano; AIPA – Ass. Imig. nos Açores; APODEC; Ass. Caboverdeanade Lisboa; Ass. Cubanos R.P.; Ass. Lusofonia, Cult. e Cidadania; Ass. Moçambique Sempre; Ass. dos Naturais do Pelundo; Ass. dos Nepaleses; Ass. orginários Togoleses; Ass. R. da Guiné-Conacri; Ass. Olho Vivo; Ass. Recr. Melhoramentos de Talude; Ballet Pungu Andongo; CGTP-Intersindical; Casa do Brasil; Casa Grande do Brasil; Centro P. Arabe-Puular e Cultura Islâmica; Colect. Mumia Abu-Jamal; Comissão de Moradores do Bairro do Fim do Mundo; GAIA - Grupo de Acção e Intervenção Ambiental; Khapaz – Ass. de Jovens Afro-descendentes; Luta social; Núcleo do PT-Lisboa; Obra Católica Portuguesa de Migrações; Sindicatos dos Professores da Grande Lisboa; Solidariedade Imigrante; SOS Racismo; UMAR.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Janela

A primeira semana de Outubro já foi para trás, já está vencida.
Há muitas coisas ainda por fazer, mas, ao mesmo tempo, quero que este tempo passe voando.
Em Novembro começam as colagens, montagens, fabricos, arquitectura e engenharia.
Deste trabalho adorarei fazer parte.
Quero ajudar a construir uma janela bem grande, ensolarada, onde eu possa também ficar a olhar.

Escrita militante

Face à crise, à quantidade de coisas que tenho para fazer, apenas uma atitude de escrita militante permite esta pequena postagem de hoje.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Aguçar a vida

Que bem escrita introdução tem o blog "O Amolador":
"De vez em quando ouço o Amolador. Nunca o consegui alcançar. Ou vem aí, ou já passou... É como se houvesse só um, que casualmente passa por mim depois de ter passado por todos (os que o ouvem). Isto resume o que pretende este blogue: falar de casualidades que tocam a existência de alguns. Lavor antigo, o amolador não respira, nem transpira, na actualidade. Pertence ao mundo poético e quimérico. Aqui não se afiam facas, nem se 'amola' ninguém. Aguça-se, no máximo, a vida."
Tenho vontade de dizer que, com uma introdução destas, tudo o que se escreve neste blog torna-se numa grande responsabilidade. Mas conhecendo a autora e não pretendendo que a sua escrita se torne num exercício de responsabilidade ou dever, apenas desejo sucesso, fluidez, motivação e satisfação pela escrita. Nada de obrigações ou responsabilidades, estas inutilidades que nos são impostas cada vez mais, em todas as actividades da vida.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Outubro cor de rosa

Entramos em Outubro.
Um mês que vou começar hoje a facilitar. Vai transformar-se em tranquilo.
Há muito para dizer e há oportunidades para o fazer - que bom. Fazendo, agindo, as coisas se transformam, os muros se destroem, as cercas esbatem-se.
Tudo vira planícies, planaltos.
Agora é capitalizar - despachar o que é necessário despachar, enveredar no que tem de se enveredar.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

1000

Este é o post n.º 1000, que comemoro postando uma nota de mil cruzeiros.
Ou "um barão", para os amigos. Lembro-me tão bem disso, antes do plano cruzado.
Quem diria que a Aldeia ia ter 1000 posts?

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Parcerias em projectos

Hoje termina a minha especialização "gerir projectos em parceria".
Está certo que é um final meio mitigado - é necessário escrever um portfolio - mas abrem-se novamente 2 janelas para mim durante a semana, segundas e terças à noite.
Parece um sonho. E o certo é que nem é grande coisa, porque logicamente algo vai se encostar nessas horas que sobrarão (sobrar não é o termo, a verdade é que estas horas me faltavam para tudo).
Agora portfolio. Já fulminaram meu questionamento acerca do prazo, por isso ele vai ser mesmo entregue em 31 de Outubro.

Alternativas

Dentro de 3 meses não quero ser a única alternativa. Pelo contrário.

Muros

"O maior de todos os perigos é permitir que nos dividam.
O muro entre antigos aliados nos dois lados do oceano não pode continuar. Os muros entre raças e tribos, nativos e imigrantes, cristãos, muçulmanos e judeus não podem continuar.
Esses são os muros que queremos derrubar."
Barack Obama
em Berlim, no Parque Tiergarten, perante 200 mil pessoas. matéria da Revista Istoé de 30 de Julho de 2008
Um discurso para não esquecer e para cobrar, caso Obama vença. Espero que vença.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

A margem e a onda

Lutamos para chegar à margem.
E aí vem a onda com força suficiente para mandar-nos para bem mais longe da margem, desfazendo o percurso já feito.
A luta muda, por momentos, talvez para sempre. Passa a ser feita não só com o objectivo de um dia chegar à margem, mas também para afastar-nos o mínimo possível do ponto de onde já se estava.
Uma coisa é certa, nunca se desistirá da margem.
Quem sabe, outro dia, outra onda, dá-nos força para chegarmos ao destino.
É a imagem que tenho na cabeça, quando penso na Directiva da Vergonha e na Proposta de Código de Trabalho.

Segurança

José Sócrates acaba de dizer, no Plenário da Assembleia da República, que a segurança é a primeira das liberdades mas deve ser a última das demagogias.
Disse uma coisa certa. Vamos ver se no futuro não vai fazer demagogia com a segurança.
Digo isso porque o PS já o fez algumas vezes.

Recomeçou

Está cá o gajo e os amigos. Começa de novo a fiscalização. Eles vieram ser fiscalizados quanto ao seu trabalho.
O objectivo é a fiscalização e o diálogo inter institucional.
Agora é assim até ao fim da sessão.
Tento fazer este post de forma muito objectiva, sem utilizar adjectivos, sem fazer comentários.
Nos próximos posts já não garanto nada.
Já neste post, com a intervenção que ouvi, ficou muito difícil manter a linha, por isso o termino depressa.

Ressurreição

A Last.FM diz que Johan Sebastian Bach está "em tour".
Aditamento: o Vivaldi também está "em tour".
Outro aditamento: vários génios da músicas estão "em tour". Mesmo os falecidos.

Seu Jorge

Não quero ser o demolidor do Seu Jorge. Atacar uma unanimidade destas é, hoje em dia, uma heresia.
Mas o certo, e sem ironia, é que gosto muito da música dele, tirando as coisas que ele gravou com a insuportável Ana Carolina.
Fui ao primeiro show dele na Aula Magna. (Um dia antes do Steve Vai, salvo erro em Novembro de 2005). Adorei. Não o conhecia. Muita gente não o conhecia. Acho ele muito bom compositor. Directo, fácil, com melodia. Gosto das músicas.
Comprei o "Cru" dele. Quase comprei o "América Brasil".
O que é pena é que "Burguesinha" tenha tocado tanto que já não é possível ouvi-la sem um grande bocejo.

Pela verdade e pela sanidade

Foram só 10 vezes que ouvi "Flores em você", e não foi possível ouvi-las todas de seguida.
Assim foi melhor, ainda consigo ouvi-la.
Aproveito para dizer que, sendo isso possível com o Ira! e com "Flores em você", seria impossível com as músicas de Seu Jorge. Talvez só as rádios o consigam fazer.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Divertimentos úteis mas perigosos

Ouvir 30 vezes seguidas "Flores em Você", do Ira!, para colocar este grupo no topo das audições pessoais da Last.Fm.
E, aproveitar para já ir programando, num futuro longínquo, voltar a ouvir "Flores em Você".

5 anos

A Aldeia fez 5 anos no dia 8 de Setembro.
Passou desapercebido, em dias de crescente movimentação.
Mas é impossível não fazer um balanço, pelo menos mental, disso tudo.
Fica a data, o balanço é impossível fazer hoje.
Mas deixo uma síntese: 5 anos é obra.

14000

Estou um pouco impressionado - acho que nunca tinha tido 1000 entradas num mês.
As vantagens de ser uma Aldeia e não uma cidade são essas. Uma margem tão insignificante para outros blogs, aqui parece uma maravilha.
Como não ia fazer um post sobre isso, digam-me?
Em breve, apresento mais estatísticas. Muitas estatísticas. O blog será só sobre estatísticas. :) - E, já agora, salvo erro, este é o primeiro sorriso de sempre no blog. E este é o primeiro esclarecimento sobre um sorriso no blog.

2 datas saudáveis

20 de Setembro e 23 de Setembro - 2 dias tramados para os açúcares do meu corpo.
Acho que vou conseguir levar isso para a frente - vamos ver.
Como tudo na vida, essas resoluções merecerão o devido balanço no futuro.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

6 passos para a felicidade

Felicidade:
ambiente saudável;
espaço;
tranquilidade;
autonomia;
contemplação da beleza;
tempo.
Depois da semana passada e perante tudo o que tenho de fazer na presente, o escape é mesmo escrever estes posts no blog.

Código do Trabalho

Agora, que se extinguiu o fim de semana, só posso dizer uma coisa: a partir deste exacto momento sou movido, apenas, a Código do Trabalho.

Recados porto-alegrenses

Os dois últimos posts são, na verdade, recados para mim, que cheguei atrasado a coisas das quais gosto muito, durante o fim de semana.
É giro ver a data da Istoé. Copiei as frases em Porto Alegre, em casa da minha avó.
"É preciso ter coragem para assumir os seus próprios desejos e se responsabilizar por eles."
Jorge Forbes, Psiquiatra, na Revista Istoé n.º 2021, de 30 de Julho de 2008
"Não espere o dia em que trabalhará menos. Reserve desde já tempo para fazer o que quer e gosta."
Dulce Critelli, Professora de Filosofia, PUCSP
Coordenação do Centro de Orientação e Estudos da Condição Humana (Existentia)
Istoé n.º 2021, 30/07/2008

No meio do Império, há uma pequena aldeia gaulesa...

4 pessoas a quem se deve fazer a devida vénia: Manuel Alegre, Teresa Portugal, Júlia Caré e Eugénia Alho.
Os 4 do Partido Socialista que tiveram coragem para votar contra a Revisão do Código do Trabalho, que vem piorar o mesmo, contra os trabalhadores.
4 pessoas que votaram contra as orientações deste desorientado PS.
4 que devem lembrar-se como Vieira da Silva e o PS eram tão contra o presente código e agora o querem "liberar geral", como se diz no Brasil.

Estressantes (?) Escreve-se assim?

Como se vê pelo número de posts da semana passada (zero), passei por dias muito complicados.
Mas não foram só complicados, foram mesmo muito estressantes.
Espero que não passe por isso nunca mais.

sábado, 13 de setembro de 2008

Persistir é vencer

Muitos avanços.
Consigo gravar, guitarra e voz. Agora é explorar as funcionalidades.
O que ainda não consegui é pôr aquilo tudo numa só faixa gravada em wave, para ouvir tudo junto, por exemplo, no Windows Media Player. Ouço tudo separado aqui.
No Cakewalk, no entanto, dá para ouvir tudo agregado.
A questão está, portanto, no mixar.
São 1.14 e já brinquei um pouco com o Edirol.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

O monstro do pânico

Aqui está ele.
Mas o mais difícil é mexer no software, uma mesa de misturas em miniatura e dentro do computador.

Edirol

Só durmo se conseguir usar minimamente o Edirol (o som da guitarra tem de entrar no computador).
Vou tomar um café. São 23.03.

Ligeiramente

Chama-se Edirol, é filho da Roland.
É um desafio.
Em todos os sentidos. Mas mesmo todos.
Ainda não sei como mexer sequer o básico daquilo (vou ter de ler o manual! sim aquilo que se usa só em casos extremos), e este é o primeiro desafio (e que desafio, dos mais difíceis. estou ligeiramente em pânico, eu acho, mas muito pelo pouco tempo que disponho para explorar esta nova ferramenta).
Existe isso de "ligeiramente" em pânico?

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Também não queria dizer isso

Portugal jogando bem, chutando muito, andando sempre perto da baliza e perdendo.
Prefiro que joguem mal, chutem pouco e vão uma vez lá à frente e ganhem.
Não queria dizer isso também, mas assusta-me que haja um regresso àquele passado azarado.
É obrigação se qualificar para o Mundial. Se isso não se tornar realidade, vou ter de comparar.
Espero não ter de comparar.
Mas perder de virada em cima do fim do jogo é inaceitável, para uma equipa "confiante" contra uma "descrente".

Não me apetecia nada dizer isso

Afinal o culpado não era o Ricardo.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Poema ao calhas de uma sexta-feira

Ser o que faz
e o que se faz
Produzir o que se tem
e o que não se tem
Criar o novo
inventar o velho
Tirar cá para fora
e jogar lá para dentro
Desabafar em melodias
alegrar-se em harmonias
Transformar o silêncio
libertar-se de barulhos
Transfigurar a atmosfera
reconfigurar o mar
Reapresentar a apresentação
meditação sonhada
Representar o presente
levitar no andamento
Repassar o passado
aprender a errar
Refigurar o futuro
conhecer bem demais o vazio
Alterar as alterações

As piores soluções

Mas compreendo o argumentário da Direita. É a única solução que os mesmos podem apresentar...
De facto é muito mais fácil pensar que os problemas sociais se resolvem atacando os mais fracos, os "de fora", ao invés de tentar buscar soluções para resolver os problemas que proliferam numa sociedade marcada pela injustiça e pela não distribuição de riqueza.
Aos imigrantes cabe trabalhar, trabalhar, trabalhar. Nada mais. O que não é novidade nenhuma para os mesmos, pois é o que já fazem. O que lhes vale a consciência absolutamente tranquila num debate tão irracional, promovido pela pior das Direitas.
Onde já ouvimos estas histórias contra os de fora?

Às generalizações, à política de sarjeta, uma resposta para apaziguar as suas almas

Sei que o texto anterior tem um conjunto dos piores ingredientes sentimentais.
Mas o que dizer a uma generalização tão grave contra os imigrantes?
Quem não perdeu a boleia foram os do Partido Popular, que resolveram dizer em todos os lugares que defendem que um imigrante que pratique um crime deve ser repatriado rapidamente.
Descanse o PP por, pelo menos, 2 motivos.
1) Os imigrantes não viajam para tão longe para andarem praticando crimes, como muitos querem fazer crer. Os imigrantes estão aqui para trabalhar. Os exemplos contrários trazem a prova disso mesmo. São pouquíssimos casos de criminalidade em comunidades que já chegam a quase 5% da população de Portugal, quase toda em idade activa.
2) A Lei de Imigração já prevê essa possibilidade de expulsão de imigrantes que cometem crimes, com conceitos indeterminados assustadores como "segurança nacional", "ordem pública", "ameaça à dignidade do Estado Português", "sérias razões para crer que cometeu actos criminosos graves ou que tenciona cometer", num dos piores exemplos de técnica legislativa existentes no ordenamento jurídico nacional.
Aliás, a lei é tão imprecisa e tão sem controle (pois nem sempre é obrigatoria a intervenção judicial, pelo menos a priori e com efeito útil) que se a Administração (para não dizer o SEF) quiser enquadrar dançar kizomba, tomar chimarrão ou falar uma língua diferente num dos conceitos indeterminados referidos acima, o imigrante tem mesmo de ir embora e, se tiver paciência, poderá recorrer para os Tribunais, mas já no seu país de origem.
Agora sem recorrer a caricaturas, a lei permite que qualquer crime possa configurar a expulsão, uma vez que, para além dos tais conceitos indeterminados, quem pratica un crime e é sancionado com uma moldura penal superior a um ano não renova a sua Autorização de Residência.
E não renovando a sua Autorização de Residência, coisa que qualquer imigrante tem dificuldade de renovar caso tenha cometido qualquer crime (mesmo com moldura penal inferior), o imigrante fica irregular e estando irregular pode ser expulso do país.
No entanto, aviso desde já, e com propriedade, que de todos os anos em que trabalho de perto com imigração, há pouquíssimos casos de imigrantes que cometeram algum crime.
Portanto, descanse a direita:
a) os imigrantes vieram aqui para trabalhar e ajudar o país;
b) a lei de imigração permite que quem tenha cometido um crime seja expulso do país.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Potencial humano

Ok, acabo de saber que Ângelo Correia acha que a minha presença em Portugal potencia a vaga de violência e criminalidade mais "sofisticada". Ele não deixa dúvidas em entrevista à Visão, sobre esse "potencial" que os estrangeiros tem, pelo menos os oriundos dos países onde a criminalidade é mais "sofisticada".
Eu que achava que não passava de um jurista...
De todas as formas, agradeço pessoalmente a consideração do mesmo pelo meu "potencial".
Talvez por eu ser português naturalizado eu já tenha perdido um pouco do "potencial". Sinceramente não sei...

Crime: rol de perguntas

Há muitos mais crimes em Portugal? Ou há mais notícias sobre eles?
Havendo mais crimes, isso é por causa de ser mais difícil colocar mais pessoas em prisão preventiva?
Sabem que o assalto à mão armada, aquele que abre agora todos os telejornais, já antes podia resultar em prisão preventiva do agente do crime e agora é a mesma coisa?
É, realmente, muito mais difícil pôr as pessoas em prisão preventiva?
É a forma correcta de combater o crime colocar as pessoas em prisão preventiva?
Os crimes não estão mesmo é relacionados com questões sociais, mais do que com reformas legais?
Uma das formas de combater o crime não está relacionado com dar meios à justiça, aos tribunais, ao Ministério Público?
Não seria muito mais importante do que sujeitar uma pessoa a prisão preventiva, reforçar os meios da Justiça, permitindo que a mesma fosse feita a tempo e horas?
O que buscamos com a Lei Penal? Uma Justiça meias tintas, de reforço do provisório, ou uma Justiça onde as penas e sanções aparecem, para além das medidas de coacção?
Realmente queremos um Código Penal diferente, um Código de Processo Penal diferente para este combate contra o aumento da criminalidade publicitada pelos media?
Eu, sinceramente, não tenho conhecimento e resposta para isso tudo. Mas sei que há muita gente por aí que não tem conhecimento mas tem respostas e soluções para tudo.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Setembro e o regresso de férias dos lisboetas

Mal entramos em Setembro e Lisboa já está cheia de carros outra vez.
Que saudades de Agosto.
Ontem já não foi possível estacionar na rua onde vivo.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

(Relativo) novo aspecto do Blog

Vá-se perceber a razão, fiz estas alterações no layout da Aldeia, um pouco em função daquela imagem ali em cima - com o outro modelo era impossível colocá-la.
Agora é ver se eu me sinto contente com aquilo ali, ou se prefiro o anterior modelo, mesmo sem a dita.
Pode ser só o costume, mas tudo está fazendo um pouco de confusão na minha cabeça. Indício disso é eu ter usado o máximo de cores parecidas com o outro modelo.
Enfim, vamos ver se isso resulta.
O que vale é que na vida nada tem de ser definitivo. Por isso, vamos dar um tempo e ver se agrada ou não a mim e à meia dúzia de leitores do blog este novo look.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

228

A fronteira foi ultrapassada, este é o post 228 de 2008.
A marca de 227 posts, do ano de 2005, fica para trás, é história.
Nunca se tinha escrito, num ano, mais de 227 postagens aqui na Aldeia. E os aldeões estavam ressentidos, inquietos, angustiados e ansiosos. Inclusive o Chefe da Comissão de Números e Estatísticas ameaçou demitir-se, por falta de apoios, nomeadamente, do escritor/autor e argumentista/criativo.
Não se sabe até onde irá a criatividade e motivação na escrita em 2008, mas o certo é que se quebra em Agosto uma marca que necessitou de todo o ano de 2005 para se cumprir e que nunca havia sido possível igualar, ou sequer chegar perto.
Um dia depois dos Jogos Olímpicos é batido o recorde e não é por acaso. Não ficava bem esvaziar a importância de Phelps e Bolt, com seus recordes e medalhas com quase igual importância. E a Aldeia, com espírito esportivo e num sentimento de grande solidariedade para com os Jogos, não queria promover o esvaziamento deste importante evento desportivo, desviando as atenções de Beijing para a Aldeia Blogal.

Pisar a fronteira

Como estou pisando uma fronteira, devia elaborar aqui um pedido de visto. Dependendo do local de destino e de origem e do meu nível de rendimentos, eu teria maior ou menor dificuldade em obter a autorização de ultrapassá-la.
Por sorte, nada destas coisas são aqui necessárias, porque na Aldeia Blogal quem quer ultrapassar uma fronteira é sempre bem vindo e sempre convidado a tentar melhorar. E o primeiro contacto não é caracterizado pela suspeição ou discriminação. O primeiro contacto é o da amizade e o da hospitalidade.
Aqui também não afogamos as pessoas em procedimentos e burocracias inúteis e demoradas, que apenas propiciam o desespero e a não regularidade.
Posto isto, vamos lá pisar bem pisada esta fronteira, com confiança e de cabeça erguida, para ultrapassá-la logo de seguida.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Em 9 ou Ladrões de Bicicletas

Se eu fosse esperto dividia o post anterior em 9, o que ia ser muito importante e decisivo para as estatísticas da Aldeia.
Por outro lado, um post tão grande pode rivalizar com as postagens do Ladrões de Bicicletas...

Notas sobre POA - tópicos

Centro de Porto Alegre:
odiado por muitos, mas cheio de fãs, entre eles eu. lojas de música, livrarias, livros em segunda mão. gente, gente, gente. rio. candidatos à prefeitura na esquina democrática.
Noite:
- Boteco do Natalício - e as placas, amigos, placas, cervejas brotadeiras e placas;
- Kimik - e os mauricinhos, patricinhas, pessoal bem vestidinho, novinho e perfumadinho. meu primo bruno e aquelas cervejas, que ficaram tão zangadas quando se encontraram com a vodka - céus, fazia tempo que não sentia a cerveja tão zangada assim;
- Preto Zé - na João Alfredo. música ao vivo, pop brasileiro. fê que me levou. que sorte que me convenceu;
- Jantares com primos - com muito vinho chileno, sempre.
Pastelaria/Café:
- Confeitaria Princesa - conheci por acaso, na andradas, enquanto corria atrás de um expresso bom (que encontrei). também havia fatias de torta a preços proibitivos (que me proibi experimentar) e o cachorro quente premiado (que também não experimentei, mas que li na parede o certificado);
- Pastelaria Mateus - na Borges, que maravilha, expresso bom, bolinho de batata, café da manhã bom, eu saindo da casa do caco;
- Confeitaria Maomé - só por si um motivo para se viver em POA;
- Mercado - no centro de POA, o melhor café expresso;
- Media Luna - que pensa que está metida no meio de Buenos Aires.
Cultura/Café:
- Livraria do Globo - que desilusão - o que aconteceu à Livraria! - diminuiu drasticamente de tamanho e surgiu um cogumelo em forma de sapataria na porta de entrada;
- Centro Cultural Érico Veríssimo - que está temporariamente sem café, mas não cafezinho, café estabelecimento;
- Casa de Cultura Mário Quintana - que está como sempre bom. almoço com a Mari;
- Santander Cultural - não gostei da exposição Transfer, mas gostei de ir. dá para explicar isso?
Cultura/Cultura:
- Museu Iberê Camargo - que viveu - e morreu - em meu pensamento. mas como pensei tanto nele não podia deixar de pôr aqui. ano que vem irei;
- Usina do Gasômetro - que não entrei, mas vi o pôr do sol com amigões e com um quentão de um bolichinho (que talvez a ASAE tivesse o mau gosto de fechar);
- Sarau elétrico - conheci o ocidente e me encantei com a iniciativa, que tem 9 anos e público.
Parques:
- Parcão - os 45 minutos mais tranquilos e introspectivos de minha estada, olhando o lago, os patos, aquele pássaro, aqueles pombos, inclusive um branco;
- Redenção - e a chuva. postei sobre isso.
Restaurantes:
- Bauru e Cia - e 3 jantares com meu irmão;
- La Pasiva - depois do Batman, aquele peito de frango grelhado, muito bom. atendimento em castelhano, por um uruguaio e o fê querendo me convencer a ir aos bares da João Alfredo;
- Palatus - o rodízio de pizzas;
- Fornão - o rodízio de filés!
Cinema (sim, anos depois fui ao cinema em POA! graças ao fê e às cervejas zangadas):
- Batman - ele não é o BOPE de Gotham?
Porto Alegre:
Porto Alegre.

Nilmar?

Seria uma burrice enorme vender o Nilmar agora que o Inter ganhou bem um jogo, estando (ainda está, sim!) o time numa crise grande, que se instalou exactamente por causa de mil e uma entradas de jogadores.
Eu mandaria o Zaragoza (time da segunda divisão espanhola) pastar. E o Nilmar devia ajudar o Inter e dizer para os caras e para este Orlando da Hora que o que ele quer é o Inter. Ou não quer?
Por outro lado, espero que os dirigentes colorados tenham um mínimo de bom senso.

Dupla gaúcha nas TV´s portuguesas

É uma sorte muito grande poder assistir ao Brasileirão 2008 em casa.
E foi fantástico transmitirem os jogos da dupla gaúcha na quarta e quinta feira, ao vivo (ou em directo, em Portugal)
Melhor ainda foi ter visto a tunda que o Inter deu no Palmeiras (4-1) na quarta e ontem ter visto o Grêmio perder com o Flamengo.
Só coisas positivas, portanto.
Fazia anos que eu não secava um jogo do Grêmio assim, inteirinho. O último acho que tinha sido com o Ajax, quando eles não tiveram competência para ganhar do Ajax a final da Taça Toyota - competição que nunca se entendeu muito bem a legitimidade para decidir campeões do mundo.
Bom, e é óbvio que depois que o Grêmio teve a sua experiência na Segundona não acompanhei muito mais esta equipe. Se em Portugal não acompanho a campanha do Estoril, do Penafiel ou do Leça na segunda divisão, não faria sentido nenhum acompanhar a campanha de uma equipe sem expressão no Brasil.
Vê-se por isso que o Grêmio subiu uns pontos em minha consideração, por ainda estar no topo da tabela do brasileirão há bastantes jogos, estar jogando bem e ontem felizmente iniciando o processo de derrocada e despencamento rápido na tabela. Estou também interessado e curioso em saber como será a reacção da torcida gremista pelo facto de seu time ser o primeiro campeão de um turno (que por si não tem qualquer valor) a não confirmar a vitória no final do campeonato.
Foi um jogo emocionante. Agradeço particularmente ao Souza aquele gol de falta nos últimos minutos, de empate, e todo aquele festejo gremista. Foi realmente muito bom, depois, quando veio a a enorme alegria de ver o Flamengo (equipe pela qual não nutro qualquer simpatia) desfazer a igualdade e a moral gremista.
Assim, espero que continuem jogando bem e que continuem perdendo.
Agora vem o jogo com o Náutico, no Estádio dos Aflitos. Vitória quase certa do Grêmio que guarda boas recordações do lugar, marcante na sua passagem pela Segunda Divisão. Há até um DVD gremista que relata como gostaram de jogar nos Aflitos e como sentiram orgulho de vencer um jogo na Segundona. Gostos.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

13000

A Aldeia chegou às 13000 entradas!
Fazia tempo que eu não escrevia um post destes.

Ouro Portugal

Nelson Évora ganhou a medalha de ouro no triplo-salto.
Já estava muito contente apenas pela medalha de Ouro para Portugal.
Mas ainda estou mais do que muito contente, por infinitas razões, algumas delas identificáveis:
- porque estava torcendo pelo Nelson;
- por Portugal, que tem poucos medalhados com ouro na sua história olímpica;
- pelo atletismo português, que estava imerso em tristeza e desânimo em Pequim, apesar da prata da campeoníssima e fantástica Vanessa Fernandes, a maior triatleta da actualidade;
- porque Nélson é filho da diversidade - tem Évora no nome, é português, filho de cabo-verdeanos, nascido na Costa do Marfim.

Quando?

tenho tanto por ler em casa, livros comprados e que se amontoam nas prateleiras, cheios de amor para dar e eu lhes ligo tão pouco.
parecem filas de um serviço público...
por isso, quando vou às livrarias tenho tentado me conter ao máximo. outro dia já pequei. comprei 3 livros que não sei quando os vou ler.
mas de todas as formas são um bonito enfeite, por enquanto.
* escrito a propósito de "a voragem dos livros III" postado n'A Outra Voz.

A moral

Um dos aspectos mais negativos da existência humana é o moralismo.
Se o mesmo já é mau por si só, pior é aquele que é manifestado por quem não tem a moral que exige dos outros.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Porto Alegre lembrada em Lisboa: Boteco do Natalício

Boteco do Natalício: o bar do reencontro com os amigos e amigas da infância.
Uma das atracções do Boteco são as placas (neste link há alguns exemplos) que o mesmo ostenta, como a que diz: Proibido Entrar Bêbado, Sair Pode. E de facto, é difícil resistir ao chopp que vai brotando na mesa. Quando o copo vai esvaziando, chega um novo e é preciso ter força para convencer o garçon a ter calma.
O Boteco, durante as minhas férias teve a honra de ser considerado o Boteco Bohemia 2008 de Porto Alegre, graças à sua Costelinha com Mel, ao seu atendimento e ao melhor ritual de servir Bohemia. Ganhou em todas as categorias.
Neste concurso dei 10 a tudo. Ao ritual, à costelinha e ao simpático Márcio, garçon do Boteco. O 10 não sei se era merecido pela costelinha, mas o Boteco em si merecia a melhor consideração.
E com tanto Chopp é possível julgar com imparcialidade?

Posts de 5 páginas

Acabam de dizer-me que, com tanta escrita aqui vertida, ainda poderei candidatar-me a um lugar no blog Ladrões de Bicicletas.

Beijing 2008: algumas notas II

Não quis, propositadamente, misturar "dinheiro" com o post anterior.
Há por aí um discurso de que o nosso dinheiro tem sido mal gasto com os atletas olímpicos, que não nos trazem as medalhas de volta. Investe-se, põe-se as moedas e as máquinas não dão os bonecos.
Até admito que pode haver abusos. Sabe-se muito (ou pouco) acerca do dinheiro investido no futebol.
Retomando, feliz estaria eu, se soubesse que meu dinheiro para os impostos estivesse servindo para o desporto. Mas desporto a sério. Não financiando esta indústria do futebol que temos. (E atenção que eu adoro futebol)
Seria tão bom saber que estava financiando o desporto escolar, ou nas Universidades. Ou espaços públicos para a prática do desporto, abertos a todos, com diferentes modalidades.
Enfim, qualquer coisa que fosse útil ao crescimento das pessoas.
No futuro iria haver mais medalhas.

Beijing 2008: algumas notas

Nos jogos olímpicos competem os melhores dos melhores. Todos estão a procura do mesmo: a sua superação.
Para uns, superar-se é chegar em primeiro. Para outros é ganhar 8 medalhas de Ouro. Ainda para outros, superar-se é ganhar uma medalha qualquer, ou passar de uma qualificação. Ou ficar perto de qualificar-se, com melhor tempo do que tinha.
Com este nível competitivo é completamente normal que nem toda a gente ganhe e é normal que o participar na prova já seja uma vitória, para países que investem menos em desporto (ou que investem só no futebol).
Na verdade, apesar de toda esta pressão das medalhas, que certamente é milenar, os jogos não são provas isoladas, em que se chega ali e como que por milagre as coisas vão ao sítio e faz-se, por acaso, melhor do que os outros. E pior, há apenas 3 medalhas para dezenas de candidatos às mesmas, com o detalhe de umas valerem mais do que as outras.
Mas, apesar de não ser uma prova isolada em termos de condição de vitória, em si mesmo os jogos são isolados das outras provas. Por isso, o que se passa ali não é um resumo ou uma síntese do que se vem passando ao longo do ano. O primeiro do ranking, ou o que tem a melhor marca, ou o que tem maior regularidade, pode não conseguir ser o primeiro, o segundo ou mesmo o terceiro nos jogos. Poderá falhar, por um qualquer motivo ou sem qualquer explicação aparente.
Enfim, relato aqui uma série de banalidades, um monte de coisas que é só raciocinar e se chega lá, porque parece que o bom senso está absolutamente afastado destes jogos, pelo menos na comunicação social. É difícil entender tanto destrutivismo e falta de solidariedade. "Eles" falharam, "eles" não se corrijem, "eles" que mesmo com o nosso dinheiro pisam a raia, não acertam no alvo e correm devagar.
Não sei se ainda se lembram? "O importante é participar". Céus, como ouvi isso. Claro que um atleta quando está lá dentro ou logo que sai de uma prova tem um certo direito ao "mau perder", com os limites impostos pelas regras do jogo. Depois de algum tempo, que não convém ser muito, até pela sanidade mental do atleta, a prova vai ser esquecida (ou parcialmente esquecida, valendo como experiência) pois há mais desafios pela frente.
Agora ficarem buzinando nos ouvidos de quem competiu considerações acerca das suas intenções ou da sua seriedade nas provas é inqualificável.

7:40

Texto para o blog EXIE, que aqui transcrevo.
Nos poucos dias (sei que isso é muito subjetivo) em que estive em Porto Alegre tive vontade de ir ver o IE por dentro. Ir lá visitar.
Não fui.
Passava todos os dias por ele ao longo da Osvaldo Aranha, numa Lotação Ipiranga-PUC. Mas parece que sempre que eu pensava em descer ali, o motorista acelerava o micro-ônibus como o Emerson Fittipaldi. E íamos nós pelo túnel rapidamente.
Desde 1988, ano em que vim para Portugal, nunca mais passei da porta da frente e tive o prazer de ver o IE. Se bem que me contaram (Carlos ou Rafa, já não sei) que o nosso pavilhão esportivo está um desastre. Fechado e tudo.
Enfim, tenho um saudosismo enorme por aquela época, por aqueles corredores e talvez, com toda esta distância, recorde com carinho até um ano em que entravamos cedíssimo da manhã. Nem sei se não era às 7:40.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

O lado bom do fim das férias

Depois de 3 semanas parado, vamos lá começar com isso outra vez.

EXIE

Surgiu um novo blog na internet, de ex-alunos do Instituto de Educação General Flores da Cunha, ano 83-84-85.
Os alunos destes anos são muito famosos, encontrando-se dispersos por várias regiões do Planeta, do Brasil e bairros de Porto Alegre.
Por haver centenas de milhares de interessados em conhecer, fica aqui o endereço: http://exie.blogspot.com/.
Poderá ser difícil acessar, tamanho é o número de pessoas que têm entrado no site.

Assunto: canhotos dos cartões de embarque

Que se saiba - os cartões de embarque têm vários elementos.
Uns são canhotos, outros são destros e outros - raros - jogam com os dois pés.
Os canhotos são os mais famosos, sem dúvida.
É só lembrar que, normalmente, depois de uma viagem, as entidades organizadoras solicitam o "envio" dos canhotos. Querem eles. Não podem ficar para você! Este facto revela o que é óbvio.
E o que é óbvio é que os canhotos dos cartões de embarque são muito melhores do que os destros dos mesmos. Por isso ninguém os quer longe. Imagine-se sem um canhoto do cartão de embarque enquanto viaja. Não sente uma certa preocupação no momento de recolher a bagagem? Ou para trocar os pontos das milhagens? Ou quando vai comprar um Whisky ou perfume no Free Shop? Há milhares - sem exagero - de exemplos que demonstram como os canhotos dos cartões de embarque fazem falta na vida de uma pessoa. Talvez milhões.
Há mesmo quem os compare a Rivelino. Há quem chame o seu, carinhosamente, de "canhotinho de ouro" (ou algum outro metal valioso). Na verdade, o canhoto só passa a ser "de papel" quando se perde. E a indignação da pessoa se verte num: "viram o papelzinho da passagem"? Quando o canhoto vira papelzinho, o negócio está feio.
É, os canhotos são os melhores. Inclusive está a ser ultimado um site sobre os melhores momentos dos canhotos dos cartões de embarque, em breve disponível aqui: http://canhotosdoscartoesdeembarque.com/ (como podem ver ainda está fora do ar, mas é por uns dias).
Sendo certo que ninguém quer saber dos "destros dos cartões de embarque" para nada, peço que se alguém conhecer algum caso em que uma empresa tenha solicitado os mesmos, escreva contando o facto.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

3 meses e uma declaração de princípio

Regressado a Lisboa, entrego a declaração que devia ter sido enviada há 3 meses.
Tudo vai se acomodando no seu lugar.
Minha mesa continua cheia de tralhas. Quero começar a abater toda esta papelada.
Há um sol enorme e quente lá fora.
Lisboa continua charmosa e convidativa.
Incrivelmente ainda não toquei um acorde sequer, desde que estou aqui. Se a mais importante "tarefa" não foi feita em 3 dias de solo português, como quero entregar qualquer coisa dentro do prazo?

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

BES II

Lamentável iniciativa da dupla. Ocasionaram uma situação que, se já de si é ultrajante, teria, obrigatoriamente, um desfecho dramático.
Felizmente não foi dramático, dentro de hipóteses ainda bem piores, para os reféns.
Agora, terapia para todos nós que queremos uma sociedade justa e em paz. E, nesta parte, além de dizer livre de crimes, relaciono com o post anterior: sem que os justos paguem pelo pecador.

BES

Como é importante reconhecer factos e nunca generalizar. Não fazer o justo pagar pelo pecador.
Não julgar um povo por poucas pessoas. Não julgar qualquer pessoa pelos actos de outras.
Acredito no bom senso.
Às vezes manda-se uma boca dali, outra daqui, mas sabe-se o que está certo e o que está errado.
É lamentável, à mesma, as bocas. Mas depois, creio, ou quero crer, que quando as coisas serenarem, as pessoas raciocinarão.
Acredito que é assim. Quero acreditar. Por isso recuso-me a ler, procurar e esmiuçar exemplos de generalizações. Talvez por não as ter vivido em directo. Talvez.
Aguardemos a bonança, que trará, tão-só e apenas, a verdade.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Rumo do Sol

Apesar de ter muita informação para dar, o que me valerá muitos posts sobre as férias, o certo é que não há nada a fazer. É preciso caminhar um pouco mais no chão de Porto Alegre e, talvez no regresso a Lisboa, em casa, terei o gosto de escrever as coisas que fiz por aqui.
E, lamentavelmente, infelizmente, tragicamente, para tristeza minha, estas férias vão dando seus últimos suspiros.
Nada mais resta do que tomar o rumo do Sol (nesta semana o tempo comportou-se) e ir aproveitar um pouco mais da capital gaúcha.