sábado, 30 de outubro de 2010

Peace of me

O acompanhamento da bateria em peace of me, no meu pedal, é ritmo n.º 2 e tempo 65. Ontem não encontrava este apontamento.
E foi escrever esse post e o JP telefonou-me a dizer que vem cá.
Fantástico.

Livros: parte IV

Leis da Banca, Menezes Cordeiro;
Código Civil, de 1998, cheinho de notas pessoais;
Manual de Direito Bancário, Menezes Cordeiro;
Lições de Direito Internacional Privado, Ferrer Correia;
Processo Penal Elementar, Henriques Eiras;
As Constituições Portuguesas, Jorge Miranda;
Da prática laboral à luz do novo Código do Trabalho, Paula Quintas e Hélder Quintas.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Livros: parte III

Direito do Trabalho, II volume, 2.º tomo, Contrato de Trabalho, Pedro Romano Martinez;
Formas de Governo, Jorge Miranda.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

nOvEla

lai lai lai e coiso e tal e aprovo hoje não aprovo amanhã manã manã e super irritados e nervosos mais os familiares e mercados zangados mas isso é insuportável mas é o q vai ser pq não há nada a fazer dizem eles mas o teatro continua

a novela continua, mas se sabe q acaba em casamento e com um viveram juntos e felizes para sempre

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Livros: parte II

Manual de Direito Constitucional, Volume I, O Estado e os Sistemas Constitucionais, Jorge Miranda;
Manual de Direito Constitucional, Volume II, Constituição e Inconstitucionalidade, Jorge Miranda;
Manual de Direito Constitucional, Volume IV, Direitos Fundamentais, Jorge Miranda.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Livros: parte I

Código Penal, de 1998, com montes de anotações pessoais;
Direito Administrativo, volume II, Freitas do Amaral, de 1998;
Código de Processo Penal, de 1999, forrado de anotações.

Please

O que me atrai em Please, do álbum Pop, dos u2, é a energia que vai gerando e sendo gerida pelos músicos. Acho uma música muito bem feita. A música vai crescendo devagarinho. Depois fica mais calma e volta a crescer várias vezes. Os momentos de Please chocam em mim como se fossem ondas. E às vezes o mar está tranquilo, às vezes está revolto. Primeiro são os músicos que trazem a música para o palco. Depois é ela que cresce sozinha e toma conta de tudo. No fim, é a música que comanda: os músicos não passam de suas marionetas. Quando os que tocam recobram a consciência, acalmam a música e tentam terminá-la. Nesta versão engatam com perfeição uma parte da Sunday Bloody Sunday.
Descobri que gosto muito de Please há bastante tempo. Liga-se ela na aparelhagem e, tendo uma guitarra perto, é quase inevitável que eu não tenha uma vontade gigante de acompanhar a viagem.

Um olhar qualquer

Há um tempo em que as coisas acontecem. Em que tudo se dá o direito de acontecer. À nossa frente. As coisas parecem não querer saber o que pensamos. Acenam para o fundo de nós e dizem: "agora é assim: faz". E nós, ao contrário do ocorrido no passado, abrimos a porta e convidamos este novo sentimento a entrar e a se sentar em nossa sala de estar. E até lhe trazemos vinhos e queijos. E o novo nos oferece outro aperitivo - que nem sabíamos que ele trazia - e ele nos conquista com um olhar qualquer que reconhecemos de imediato, de uma outra ocasião que não sabemos se faz parte do passado ou do futuro.
Ficamos olhando, tentando saber se temos ou não direito a uma intervenção no desenlace. O risco, os medos, tudo parece pequeno, de repente. Estão ali, assustam, mas são pouco demais para a acção que está em marcha. Tão diferente! Tão destemido. Uma coragem que parece ser mais do que é.
E, de repente, parece tudo tão desregrado face ao tempo em que as coisas não aconteciam e eram tão prudentes e tão pensadas e tão frias e tão conservadoras, tão imóveis e tão de costas voltadas para a vida. Com as emoções despertas, aquela racionalidade mais mesquinha foge e sabe que foi apanhada. Sabe que lhe descobriram a sua suprema fragilidade. A razão má sabe, de uma vez, que está errada e que os seus fundamentos sólidos assentam em bases que não lhe pertencem. Se a base da emoção começa a tremer muito, tudo o que já não é para ser se desmancha. O lindo cálice pode ficar completamente vazio de conteúdo e de sentido. Mas uma boa bebida doce pode encher outro copo rústico e menos elaborado. É uma sorte quando tudo acontece por boas emoções.
Mudanças. Mundanças (sim, com aquele "n" ali que parece errado). Queremos tanto nos esconder em castelos de cartas. De repente, a brisa se transforma num bom vendaval e vamos atrás dela.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Wo es arbeit gibt

O que será que eu disse?
»Viele glauben, Migranten würde in ein Land kommen und dann für immer bleiben«, sagt Gustavo Behr, der die brasilianische Migrantenverei nigung »Casa do Brasil« leitet. »Aber das stimmt eben nicht. Migranten gehen dorthin, wo es Arbeit gibt.« Und da es in Portugal immer weniger Arbeit gibt, kommen immer mehr brasilianische Migranten zu Casa do Brasil, um sich nach Rückkehrhilfen der Internationalen Organisation für Migration (IOM) zu erkundigen. Dieses Jahr wächst Brasiliens Wirtschaft Schätzungen zufolge um 7,53 Prozent. »Das weckt Hoffnungen auf ein besseres Leben«, sagt Gustavo Behr. Nach Angaben der IOM hat sich die Zahl der brasilianischen Migranten, die Rückkehrhilfen beantragen, seit 2006 vervierfacht. Die brasilianischen Einwanderer, die die größte Einwanderergruppe in Portugal bilden, kamen größtenteils während der brasilianischen Wirtschaftkise der späten achtziger Jahre nach Portugal. Jetzt treibt sie die portugiesische Krise zurück nach Brasilien.

Nostalgia antecipada

Ontem os UP 4 fizeram um ensaio muito bom. Tocamos "tudo o que o vento traz" pela primeira vez juntos do princípio ao fim. Foi entusiasmante. Mas o "vento", como chamamos, foi só um detalhe de um tempo muito bem passado. Aliás, esquecemos o tempo passar. Passou muito rápido. O homem teve de vir, mais uma vez, à porta, dizer que só podíamos tocar mais uma.
Outro indício de entusiasmo, este indício mais pessoal, foi que eu parti uma corda tocando. Não sei há quanto tempo isso não me acontecia. Mas sei bem que eu estava com "pegada" e as esticando o mais que podia em algumas partes. As músicas me pareciam estar com mais vida. Acho que isso aconteceu com todos. Talvez os 15 dias de intervalo tenham deixado a todos com muita fome de UP 4.
Os momentos após os ensaios dos UP, 2 e 4, são sempre momentos de reflexão sobre revoluções em marcha.

Traços

Como se pode fazer a um quadro, às vezes pinta-se por cima. O que está por baixo continua lá. Influencia. Gera traços que não saem. Às vezes se nota claramente. E é óptimo quando o que está atrás do novo são coisas boas.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Revolução

Uma autêntica revolução está acontecendo!

Fórum Imigração

fórum imigração :: 23 de Outubro | 10h30 :: Hotel Mundial, Martim Moniz


Programa


10.30 – 13 - Manhã

Abertura – Cecília Honório

Crise e políticas de migração

- Rui Tavares (Parlamento Europeu);

- Gerardo Marquez (Coordenadora dos Imigrantes de Málaga);

- Sónia Pires – (Amnistia Internacional).

14.30 - 17h30 - Tarde

Direitos fundamentais: educação, habitação, trabalho, direitos políticos

- Carla Santos (Associação de Melhoramentos e Recreativo do Talude);

- Eugénia Costa Quaresma (Obra Católica);

- Mamadou Ba (SOS Racismo);

- Maria João Freitas, Socióloga.

17.30 – encerramento – Francisco Louçã

Programa em esquerda.net

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Djadja

Não há jeito. Tigrala é muito bom. Tem uma muita e boa energia. Chegando em Lisboa pela A5, vinha ouvindo isso no carro. Aquela descida toda. Se não estivessem mais carros, não sei se não aceleraria mais do que é permitido, enquanto ouvia Djadja.

Mais uma novela

Sinceramente, não sei se alguém sabe se Passos aprova o OE. Não sei se ele sabe. Não sei sequer se ele saberá o que fazer se o PS aprovar os 6 pressupostos. E não sei se saberá o que fazer se não aprovar. Ou se aprovar só um bocadinho, só algumas medidas.
E não sei se o PS não apresentou uma proposta de OE tão miserável para o pessoal lhe chumbar esta porcaria e pronto. É um OE bastante vergonhoso. Claro no ataque aos mais empobrecidos. Com o OE chumbado terminariam duas lideranças de uma vez só. A de Sócrates, que já terminou, mas que terminará formalmente, e a de Passos, que, a não ser que saia bem disso tudo o que vem fazendo, pelo menos em relação a Revisão Constitucional e com OE, passando por alguns documentos na AR, apenas vem demonstrando o quanto consegue ser obtuso.
Seria muito bom na verdade: um futuro sem Passos, nem Sócrates.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Sobre pressa, perfeição, agir e fazer

A pressa é inimiga da perfeição.
A lentidão é inimiga de trezentas mil coisas mais.

Pressupostos

Os pressupostos são mais fundos e talvez não explicitáveis em palavras. É um conjunto de coisas, algumas bem abstractas. É por isso que acho que isso é mais do que sempre foi.
Ultrapassa um pouco a racionalidade. Mas permite alguma fundamentação teórica. Que, no entanto, vale muito pouco. Pode-se criar uma justificativa bem elaborada, mas muito mais importante é o que não se consegue escrever.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

plantaçao

joga-se a semente na terra e ela começa a se transformar. daqui a pouco é uma arvore e logo após está cheia de folhas e frutos

domingo, 17 de outubro de 2010

13 Dilma

no brasil agora sao so duas alternativas. mesmo q uma delas n seja a mais perfeita, trouxe mudanças reais. a outra alternativa representa um passado em q os mesmos governavam sempre para os mesmos.
é preciso votar dilma, salvar o brasil de serra

sábado, 16 de outubro de 2010

Le cool

A CBL está na moda.

Whitman dominando o dia

Transformando dois blogues num curto circuito, e enchendo este post de vírgulas (como já verão), faço um link para o antiblog do Salo, que hoje fez uma nova visita a Whitman e me enviou, através de um comentário, e através de um post também, uma parte linda do poema, que ele define como auto-retrato do escritor.
O Whitman acordou-me hoje. Acordei com a abertura do "Canto de mim mesmo", que é um poema de uma profundidade infinita. Há quantos anos não pensava nele, no poema. O livro olhei nas mudanças. Queria colocar no blog tão cedo quanto pudesse. Tem um grande significado pessoal o post sobre Whitman e o poema em si.

Myself - Walt Whitman

I celebrate myself, and sing myself,
And what I assume you shall assume,
For every atom belonging to me as good belongs to you.
I loaf and invite my soul,
I lean and loaf at my ease observing a spear of summer grass.
My tongue, every atom of my blood, formed from this soil, this air,
Born here of parents born here from parents the same, and their parents the same,
I, now thirty-seven years old in perfect health begin,
Hoping to cease not till death.
Creeds and schools in abeyance,
Retiring back awhile sufficed at what they are, but never forgotten,
I harbor for good or bad, I permit to speak at every hazard,
Nature without check with original energy.

E lembro que há 12 anos li essas estrofes pela primeira vez. Neste tempo, alguns versos passaram a fazer um sentido diferente.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Salvem os ricos

Hoje é dia de apresentação da Proposta de Orçamento do Estado em momento de crise em Portugal e na Europa. Vem aí um OE para baixar o défice, de uma forma brutal e bruta. Segundo já vai sendo dito os que tem menos rendimentos, mais uma vez, vão ser declaradamente os mais afectados, seja através do corte dos apoios sociais, seja através dos aumentos no IRS e no IVA - este último não é progressivo e precisamente por isso afecta mais os menos favorecidos (ver no Público: subida do IRS é mais forte nos rendimentos mais baixos, no DN: IRS triplica nos escalões mais baixos e na TSF: família de classe média paga mais 2100 euros de imposto)
Num dia assim, não há nada mais adequado do que postar a música "salvem os ricos", do programa humorístico Contemporâneos.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

cartas inábeis

Estava com vontade de colocar um link e não coloco, porque estou muito triste. Que papelão!
Promete-se umas cartas e um gajo sente-se um parvo.
Em português do Brasil:
Promete-se umas cartas e um cara se sente um bobalhão.
E eu dizendo aos quatro cantos do mundo em quem voto. Defendendo. A esquerda, sim, a esquerda, já fica sabendo que uma certa pessoa não é só contra o aborto, mas contra mudar a legislação da matéria. E é contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Na verdade eu acho que eu não queria saber isso assim, preto no branco, porque talvez já soubesse que estas ideias não iam ser defendidas em contexto de presidenciais. Óbvio. E o outro soube fazer bem a coisa, está certo. Mas não posso deixar de dizer que sinto-me muito desiludido pela inabilidade demonstrada por ela e pelas ideias que a inabilidade agrega. Devia ter votado melhor no primeiro turno (está aqui um diabinho me dizendo ao ouvido) e agora valia tudo para não ter o outro senhor. Mas pelo menos eu estava mais tranquilo. Dois votos agora me parecem demasiado. Há um velhinho a quem devo desculpas. Não sei como a esquerda vai reagir. Sim, a base de apoio historicamente maioritária da escritora da carta. Acho que o segredo é votar nela, tentando fazê-la lembrar desse papelão que ela fez, em breve.
Continuo não querendo o outro senhor. Mas, por favor, não voltem a dizer para mim que Portugal é um país conservador. Não tolerarei.

passado, presente, futuro

"Mais uma vitória como esta e estou perdido!"
Acho que há muita gente assustada e não sabendo como vota alguns documentos importantes da nação, precisamente porque o tempo é de vitórias pírricas. E já agora para quem quer saber sobre Pirro, ele era um general que o Aníbal admirava muito, considerando maior que ele só Alexandre, o Grande.

A não contradição da capa da Veja


É interessante esta capa da Veja. Literalmente, sob a capa de contradição apresenta-se a opinião de Dilma, que, sendo essa (pegando só nas duas frases), mesmo que ditas a dois tempos, têm uma certa coerência. Poderiam (quem é a favor da criminalização do aborto) atacá-la por ser a favor da descriminalização do aborto e não por haver contradição de posição baseada nessas afirmações.
Nos jogos políticos e demagógicos do debate da penalização ou não do aborto (aqui ainda mais prejudicados pelas eleições presidenciais), os argumentos são sempre bastante truncados, como essa capa da Veja, aliás. Exacerbam o medo, ao invés de promoverem um debate que tendesse a ser esclarecido.
Porque a verdade é que é perfeitamente possível que uma pessoa seja a favor da descriminalização do aborto e que, ao mesmo tempo, para si, para a sua consciência, seja contra o aborto.
Simplesmente, por uma pessoa ser contra, não quer dizer que as mulheres, sublinhe-se que são as mulheres mais pobres (porque as ricas podem viajar e fazer o aborto num outro país), que tenham de fazer essa opção dificílima, devam ser punidas criminalmente por abortar. São duas coisas completamente diferentes.
Enfim, Portugal já passou por este debate. A legislação melhorou. Pode-se interromper a gravidez até às 12 semanas. O mundo não ruiu. Simplesmente já não há mais mulheres a fazerem abortos clandestinos (e a morrerem neles) e não há mais mulheres humilhadas em processos criminais por terem tomado uma decisão que nunca é fácil.

JSGWBLX parte III

Já fiz o que tinha a fazer. Ao cd junta-se o espectáculo.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Vou mas é apanhar o 28

Quem não gosta de perder o controle do vício da leitura não deve ler nenhum parágrafo da trilogia Millenium, de Stieg Larsson. Terminam os horários. Fica-se sem saber como o sono vai conseguir vencer a batalha contra o livro. É melhor não o ler com o motivo de "pegar no sono" porque lê-lo é a mesma coisa do que tomar uma dose de cafeína. É também um livro ecológico. Por causa dele nas últimas duas semanas só num dia dispensei o eléctrico para vir para o trabalho. Também é um livro contra os idosos. Quando surge um lugar para eu sentar, fica muito mais difícil de levantar quando entra uma velhinha que não tem um assento.
Estou preocupado com a Lisbeth Salander. A polícia anda atrás dela.

Direitos Humanos dos Imigrantes e Refugiados

Coisas boas de fazer para refrescar as ideias.

Chile

Coisas boas de ler.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Sobre decisões

Um monte de convicções pessoais, com um monte de convicções institucionais, cronológicas, de oportunidades, de energia, de cargas de trabalhos, misturadas com a minha disponibilidade para os próximos dois anos, me fizeram tomar uma decisão difícil hoje.
Como qualquer decisão difícil, tem muitas interpretações e diferentes formas de compreender, inclusive para mim.
Mas acho que agi pelo melhor.
Vai no caminho do que estabeleci como preferível, como realizável e até como sonhável nos próximos tempos.

OE 2011


A grande onda já começa a se vislumbrar no horizonte. Cientistas já começam a fazer quadros, cronogramas, programações para a tormenta. Em terra, todos se preparam, criam-se comissões, marcam-se agendas, preparam-se para o furacão.
É verdade. A avalanche OE já começou a dar os primeiros sinais e só se vai embora em fins de Novembro.

Joe is back em música e em concerto


O novo cd de Joe Satriani tem umas músicas bem interessantes, ainda que sejam mais do mesmo. E é um bom mais do mesmo. Não é o Crystal Planet ou o Strange Beautifull Music, que para mim são enormes e perfeitos. Mas é um cd bom de ouvir. Gosto muito de Premonition, Wormhole Wizard (que me lembra o primeiríssimo Not of this earth, em especial a Driving at night), Wind in the trees e God is Crying.
Ah e o Joe vem a Lisboa em Novembro. E eu tenho de ir vê-lo, no Campo Pequeno - pelo menos a Praça de Touros serve para algo de bom. Se se confirmar que vou, será a minha segunda vez (não em touradas, mas sim a ver o JS). A primeira está aqui.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

O conselho

Hoje os UP 4 tocam. Depois do ensaio parece sempre que o Conselho se reuniu e que começou a colocar em causa tudo o que se pensou durante o dia. É bom sinal.

Ainda dá para chegar lá

Há 10 jogos do fim do brasileirão o negócio está assim:
Cruzeiro: 54 pnts/29 jgs;
Fluminense: 52 pnts/29 jgs;
Corinthians: 49 pnts/28 jgs;
Inter: 47 pnts/28 jgs;
Santos: 45 pnts/28 jgs.

Debates

Aborto e crença em Deus na fé de que isso mobilize os milhões de votos evangélicos de Marina. Serra contra Dilma.

Mudança

Querer implementar uma lógica de mudança, mesmo a nível pessoal, é bem complicado. Para mudar é preciso ter força, muita força. Tem de se fazer uma força desproporcional, para cada assunto.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

O parágrafo entristecido e o escritor genial

Há aquela história do parágrafo perdido, que foi encontrado pela caneta de um autor que se afirmou, imediatamente, seu criador. Um excelente parágrafo, que sintetizava quase tudo de bom, tanto a nível científico, como a nível ficcional.
É difícil explicar o drama do parágrafo perdido, agora encontrado. Encheu-se imediatamente de gralhas, tamanha a sua dor. Ele queria conseguir dizer "Oh palerma, não penses que foste tu quem me escreveu. Eu já andava aqui pelo ar e me deixei pescar por ti. Tu és um mero para-raios. Eu sou o trovão. Estou farto de ti, desta tua atitude, e nunca devia ter-me deixado apanhar".
Nunca foi possível o parágrafo explicar convenientemente a sua versão ao grande público. Mesmo tendo deixado pescar essa sua história e o seu desabafo, alguns meses mais tarde. Inclusive foi o mesmo autor, um pouco assustado, que descobriu a versão desenvolvida do parágrafo, com mais caracteres, com os impropérios e o "palerma" lá pelo meio, numa noite em que adormeceu escrevendo no computador. Verdade seja dita, o próprio autor, depois de um tempo admitiu a sua condição - não se sabe se pelo pavor às gralhas que lhe brotavam incessantemente na escrita, como uma maldição, ou num gesto de humildade, ao verificar realmente a sua simples contribuição como para-raios. Até publicou a parte do "palerma" num artigo académico. O certo e que ninguém acreditou na história.
E o autor ficou famosíssimo, mesmo com uma enorme quantidade de gralhas em seus textos. "Genial" e "humilde", foram os adjectivos usados pelos críticos que tornaram o parágrafo perdido num parágrafo imortal, escrito pelo autor que dizia ser (e que era, mas ninguém acreditava) um mero para-raios.

Enigmas: impôs sibila idade


Talvez a impossibilidade não passe de uma falácia.
Ou uma coisa assim parecida que a gente ainda não tenha entendido bem.
E dá-lhe colocar travões em tudo o que é um pouquinho mais criativo do que as pessoas defendem.
Ah, o título não tem nada a ver não.

Tempestade de alimentos da alma

I
Está mesmo uma infinita tempestade lá fora. Há um alerta laranja de mau tempo para Portugal continental, que me faz lembrar que laranja em árabe se diz "portucale". Como um alerta laranja, que tem a imagem de um sol, se pode aplicar a um tempo completamente chuvoso?
II
A tempestade de trabalho, entretanto, amainou na minha mesa, só porque uma urgência se transformou em passado. Por isso aliás é que era uma urgência. As urgências se trabalham e nelas se fazem tudo o que se pode. Depois elas vão embora. E levam rapidamente tudo o que o vento traz.
III
Nesses tempos, não desistir do que se gosta é fundamental e é por isso que é preciso rachar horários e enfiar onde se consegue todos os alimentos da alma. Por isso que hoje, ainda que use umas barbatanas vou à casa do JP (agora temos de ser mais prudentes e distribuir o barulho) ajudar a pôr os understood a tocar.
IV
Finalmente, dizer que além de soar os bells e voar com flyin, os up 4 na segunda preparam-se para ventar o vento e apareceu essa sugestão aqui. Parece bem. Já sei o que vou fazer nos tempos livres em casa até segunda.
V
E esses números romanos?, e essa estrutura?, os leitores perguntam... e eu respondo não sei, pareceu que fazia sentido e era uma ocasião tão boa para os introduzir num post, com essa chuva lá fora, com o alerta laranja, com os kings of leon, com a janela quase cedendo ao vento, com o stress, com tudo...

Chegar e tocar

Uma tempestade na minha cabeça. Ouvindo em modo repeat e louco de vontade de chegar em casa e começar a tocar. Felizmente já é sexta-feira, ainda que entre as 13h e as 19h ainda tenha tanta coisa para fazer. E coisas no Sábado. E coisas no Domingo. Não importa... Chegar e tocar e não fazemos mais considerações.
Fiquemos só com isso: chegar e tocar.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Last e new age

Hoje, no fim do dia, voltei à minha LastFM. Entrei para dizer e ouvir um alô. Descobri que tenho 30 músicas para decidir se regresso ou não aos pagamentos de 3 euros mensais. O youtube anda dando para o gasto, essa é a verdade.
Mas não posso deixar de dizer que senti falta daquela selecção "new age ambient", que foi o único motivo pelo qual fui lá bisbilhotar a last. Daí começou a tocar aquelas músicas com uns sintetizadores que tocam uns acordes que se mexem bem devagarinho, tipo Hans Cristien, Kitaro, Dean Everson, Max Corbacho, Steve Gordon, Alpha Wave Movement. Entra-se numa outra esfera.
Já foi muito útil, como se vê aqui, aqui e aqui.

global

entre o regime de prescrição de dívidas, um fórum sendo montado, uns contactos (que afinal fui eu) a fazer, a cabeça viajando longe, uns relatórios e umas burocracias que se pudessem explodiam todos os tempos mortos, são os angels and airwaves, os up 4, os them crooked vultures e os up 2 que salvaguardam a satisfação global do corpo e da mente

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Presentes que recebi

Vou usá-los da melhor maneira.

UP 4 no 4 de Outubro

O Humberto acertou com a passagem complicada de Bells.
O JP tocou com muito à vontade.
O Nélson estava curtindo bué. Vinha com vontade de Bells, Flyin e Vento.
Eu pude fazer coisas novas em Bells e também em Flyin.
Bells e Flyin estão super diferentes, mais rockadas. Estão um mimo. Só tocamos as 2.
O ensaio dos up4 foi muito bom. Quando o Nélson disse que faltavam 15 minutos para terminar as 2 horas nem acreditamos. Na outra segunda tem mais.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Parece

Parece estar tudo parado. Mas não. É assim com uma porção de coisas. Parece que são eternas, mas estão se mexendo. Dentro, pelo menos. E também umas janelas aparecem onde não esperamos. Tudo toma forma muito de repente. O medo desaparece ou enfraquece. E os projetos começam a caminhar com um pouco mais de autonomia. Menos racionalizados mas com um sentido. Na verdade vão-se racionalizando por si. Saem da esfera dos sonhos e se postam à nossa frente, com uma capa de concretização. Acho que é bom sinal.

sábado, 2 de outubro de 2010

Síntese sabadal

Meio gripado e com responsabilidades amanhã das 7h às 17h como 2.º mesário, passei o sábado todinho em casa, tirando uma saída para compras (mantimentos), que incluiu paracetamol.
O JP esteve na Graça e os up - no seu modelo original - tocaram, das 16h às 18h. É uma onda que só nós dois entendemos, é uma grande verdade. É bom tocar os 4, mas também saem coisas muito boas só os 2. Também toquei sem o JP. O efeito 18 do meu pedal é parecido com o do Tó Trips, do Dead Combo. Foi bom experimentar.
Além disso, e de comer muitas frutas, vi "American Beauty", "Alta Fidelidade" e "Guerra dos Mundos". Gostei dos 2 primeiros.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010