sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Dia mundial da música

Na Fonoteca Municipal de Lisboa, no Dia Mundial da Música - 1 Outubro às 21H30, vai tocar o projecto How Comes The Constellations Shine.
Acho que é uma boa dica, tanto o link do MySpace do projecto como o concerto.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Welcome

Não vi o Welcome em Porto Alegre (sim, já estava lá em Julho). Acabei vendo em Lisboa, em ante-estreia. Super filme. O realizador, presente, nos disse que não queria fazer um filme político. O filme é político. Se quase nada na vida é apolítico, dizer que este filme não é político me faz perguntar o que é político para o realizador.
Quanto ao filme: excelente retrato, triste mas muito realista, da imigração. Inclusive se passa em Calais, um dos locais onde os imigrantes de forma mais emblemática sofrem na Europa, tentando cruzar a fronteira para a Inglaterra.
Ontem, Sarkozy mandou destruir o acampamento de imigrantes não regularizados em Calais. Podia ser um refúgio enquanto eles aguardavam para tentar vencer a fronteira. Mas eram as suas casas.
E o que eles querem ir fazer de tão mau à Inglaterra, perguntam vocês?
Pasmem. O delito é procurar trabalho e uma vida mais digna. O delito é abandonar países onde há fome, há guerra. O delito é sonhar. Atenção que delito pode estar sendo utilizado em sentido não técnico. Mas também nem tudo é técnica. Chame o que se chamar, as coisas doem igual na pele de quem sofre uma panóplia enorme de discriminações, sanções jurídicas e administrativas apenas por não ter os documentos correctos para ter o direito a circular.
Isso não é muito esquisito?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Chegar em casa de pés descalços

A verdade é que não é nada fácil chegar em casa, olhar para as minhas companheiras, e dizer-lhes: "Eh pá, hoje não vai dar, os vizinhos iam ficar furiosos com o barulho".

Aqui está um post que podia ser meu

O post é de uma colega de trabalho e de formação que também está fazendo outras coisas.
Diz muito do que sinto, em particular o "apesar de tudo e de ser cansativo" (...) "é como me sabe bem estar at the moment".
Já me questionaram sobre o porque disso, desta adaptação. Porque sou formado em x e estou fazendo y? Pois é. Talvez por isso a sensação ainda seja melhor, de um descanso grande do trabalho mental (o primeiro, tirando as férias?), apesar de haver muito mais trabalho corporal.
Conhecendo os nervos nos últimos dias, devo dizer que nenhum foi superior ou aproximou-se de alguma das ansiedades que passo em qualquer actividade que exerça em minha profissão, durante todo o restante ano.
Por outro lado, estas temporárias solicitações, esta ajuda que se dá, este somar de muitas pessoas, face à mais reduzida ajuda que estaria dando no meu normal posto de trabalho (eu e outros, diga-se) e que tem um movimento irrisório neste período em especial, pode fazer a diferença.

terça-feira, 8 de setembro de 2009