sexta-feira, 29 de abril de 2011

ou seja nunca farei

Menos escrita no blog. Mas com o caderninho preto cheio de notas soltas. Estão ali umas 30. É interessante que - talvez como no blog - muita da escrita dos dias que ficam para trás perde alguma validade. Fazem sentido no minuto que as atiro para algum lugar, mas só este acto de as fixar num sítio qualquer parece já esgotar o seu sentido. Fica aqui uma deixa para uma reflexão a ser feita quando todos os assuntos do mundo se terminarem.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

tempos e espaços

Na capa da Zero Hora de ontem: Empresas preveem crescer mas temem falta de mão de obra.

nada sei

Sócrates não era sofista e era humilde - só sei que nada sei - contrariamente a alguns que herdaram o seu nome e fazem da retórica e da arrogância um estilo de governação. E se isso já seria mau para um país, é completar a peça com agências de notação financeira (que notam só as coisas erradas - como dar boas notas à AIG dias antes dela falir e levar tudo por água abaixo) especializadas em espatifar economias só porque lhes dá na gana e infelizes alternativas que não gostam de quem governa porque ainda acham, talvez por serem coelhos, que se deve piorar mais a situação das pessoas.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

pARTe II

acontece muito

A juventude do orador permite desculpar a colocação das questões de segurança pública da sociedade ao lado das de direitos humanos, na temática da imigração, como se fossem dois lados da mesma moeda. Juventude e anseio de fazer uso dos conceitos de segurança pública e soberania nacional, provavelmente aprendidos em suas aulas de relações internacionais. Se não fosse a juventude, seria para mim completamente incompreensível a preocupação com segurança e soberania, numa cidade sem imigrantes como Porto Alegre. Os poucos que estão aqui, ainda por cima, numa grande maioria são do Mercosul, com os acordos de simplificação burocrática que devem ser cumpridos na íntegra. Imigrantes que ficam vivendo num país que escolhem como seu, apesar das várias dificuldades que enfrentam, normalmente não são uma preocupação de segurança pública, no sentido de uma agressão para a sociedade de acolhimento. Antes pelo contrário: é a segurança dos imigrantes que está em risco, pois são, potencialmente, alvo de todas as discriminações e explorações.

Falcão

Todo o Inter está feliz com Falcão. Colocando na balança capacidade técnica, experiência, risco, carisma, emoção, profissionalismo, realismo e fé, a verdade é que todo mundo queria experimentar para ver. Isso basta por hoje. E talvez o hoje seja a melhor forma de decidir o futuro, por natureza insondável. Vamos lá escrever uma história bonita Falcão (e jogadores também, que acho que deram uma ajudinha para destruir Roth - o Celso, não o Philip).

numa biblioteca

Se o silêncio não é suficiente e é quebrado de forma sistemática ou permanente, liga-se o mp3 e a paz é reestabelecida.

espelho

Peço tolerância com o post anterior, por parte daqueles que tenham gosto numa escrita do tipo. Tinha de partilhar a minha reflexão e até a minha preocupação face ao meu modo de ver o fenómeno. E eu tenho as minhas manias também. Defensor do acordo ortográfico, aqui no blog mantenho a grafia de Portugal, por exemplo. Mesmo depois de já ter prometido a mim mesmo (talvez as promessas mais importantes), diversas vezes, que ia entrar em "modo acordo". E talvez eu seja fã de uma escrita simplificada demais.
Continuarei colectando os diamantes, no entanto. Gosto de o fazer e até de aprender.

lídimo intento

Hoje li nuns estatutos aqui do Brasil as expressões lídimo intento e pálio da justiça. Verifiquei o ano da redacção: 2000. Talvez tenham sobrevivido no tempo, talvez sejam de agora mesmo.
Perguntei à minha mãe se podia ser um problema meu, estas minhas brincadeiras sobre estes assuntos de escrita rebuscada. Gosto de anotar estas expressões quase ininteligíveis para o comum das pessoas. Já fazia isso em Portugal. Eu tinha um colega perito nesses assuntos de utilizar latinismos e vocabulário menos acessível. Aqui tenho encontrado muitos diamantes destes na mina do "juridiquês".
Enfim, como dizia, fiquei preocupado com minha mania de anotar os ditos e perguntei à minha mãe, que saiu-se com uma muito boa. Na opinião dela, escrever assim é como usar uma cartola ou uma bengala. É vestir-se nos dias de hoje como nos tempos de Machado de Assis.
Achei a imagem muito interessante e apropriada. Mas até acho engraçada a vestimenta. A leitura torna-se mais divertida.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Epi Gold Top


Hoje peguei numa Standard Gold Top, igualzinha a esta, numa lojinha no centro. Epiphone, 1900 reais, semi-nova. O mais esquisito foi parecer que estava pegando na minha. O braço igualzinho. Sem chances de ter outra Epiphone, a não ser que fosse de presente. Para mim, não faz sentido investir em guitarras muito parecidas, para já. Mas foi bom o "convívio". Linda a guitarra.

meus comments

Tenho pena por não ter conseguido escrever em menos linhas e a vaidade é uma cena fo***a, são os comentários a posteriori, que faço ao último post.

Nobre

Nobre. Foi mandatário do BE ao Parlamento Europeu. Depois foi candidato à presidência, apoiado por Soares, que o lançou e ficou mais ou menos escondido. É giro que havia quem não soubesse disso. Fiquei espantado, na altura. Espantado que não soubessem, não que fosse candidato lançado fosse por quem fosse, da esquerda. Às vezes é preciso um empurrão.
Se num primeiro momento pareceu ser uma candidatura que constrangia sectores da esquerda, Nobre começou a constranger cedo demais aqueles que foram muito definitivos numa análise Alegre vs Nobre, escolhendo este último. Mas tudo bem, acredite se quiser. Jogo democrático, o número do independente da sociedade civil, isso tudo. Muita inconsistência e alguns episódios risíveis, que até se dão de barato (mas rir é bom). Havia ainda o apoio ao Estado Social, o discurso contra os deputados comprometidos com o sistema e as grandes frases.
Enfim e depois Nobre nos oferece o que se sabe. Abandona a esquerda (ou aqueles que achavam que ele era de esquerda, ou que não sabiam bem) e troca-se de armas e bagagens para a direita ultra-liberal, o PSD de Passos Coelho. E, se não é à troca de um cargo, ele pelo menos ao aceitá-lo está a escancarar a porta a essa interpretação. Talvez Nobre seja o novo Presidente da Assembleia da República. Passos Coelho já prometeu. Não é pouca coisa, não é conversa de café. É um cargão, bem institucional, prometido publicamente.
Bom, e depois do desencantamento da imagem de grande senhor da sociedade civil - que até nem era mau acreditar, era até razoável - fica aos olhos de todos que há limites para a independência e autonomia da sociedade civil face aos partidos - e que talvez esses limites tenham, pelo menos, a ver com projectos políticos coerentes entre si.
Por outro lado (acrescento depois de terminar o texto) pode ser que isso só tenha mesmo a ver com a palavra vaidade e ponto final.
Uma coisa boa nisso tudo é que parece que é o primeiro tiro no pé do PSD. Assim se espera. O de Nobre não é o primeiro.

Galveias

Galveias, Campo Pequeno, Segunda à noite. Comer qualquer coisa a correr no Centro Comercial que o Jota passa às 20h20 ao lado da biblioteca. Às 21h00 tem ensaio na Kazzoo. Foi essa a sequência de pensamentos. E agora ainda lembrei das sandes e maçãs que o jota trazia. Uma vez até arroz com frango trouxe para eu comer antes do ensaio.

Bibliotecas e pavões

A biblioteca da faculdade de direito da UFRGS é quase tal e qual (só perdendo em tamanho) a da Católica, a das Galveias e a da Penha de França. Onde estive centenas de horas durante o curso. O mesmo silêncio sepulcral. Excelente. Indispensável.
A das Galveias, no entanto, tinha (e ainda tem, provavelmente) momentos de menor silêncio, quando os pavões começavam a pupilar.

chão

Está certo que se tratam só de duas cadeiras, que estou fazendo como ouvinte. Talvez umas ajudas no Saju, como voluntário, também ocorram. Mas o certo é que a UFRGS, seja de que maneira for, mesmo que fosse só ir à biblioteca, ler as minhas sebentas ou livros que eu tenho em casa, tem sido uma das coisas bacanas destes meses. E o mais engraçado é pensar quanto chão andei, o quanto vi e ouvi, entre o atravessar de duas ruas no caminho do IE e a Faculdade de Direito da UFRGS.

Filosofias

Nunca imaginaria filosofia dos direitos humanos ou, mais amplamente, filosofia do direito, como uma matéria plausível no mundo de pragmatismo, ou na linha prática com que eu, quase sempre, encarei o direito. Do tipo: isso serve para muitas coisas reais e vamos aproveitar. Talvez por isso, essa armadilha que caí seja tão interessante para mim e me desperte algum gosto - o que às vezes escasseia. Gosto pelo novo? Gosto por isso nem parecer bem aquilo que é?
Faço notar que até gostei de filosofia do direito. Mas veio no pacote 5.º ano - encarado com um vamos despachar isso de uma vez, que há um mundo lá fora para ser explorado.

Sobre pinturas II

O melhor é exactamente não haver um ensinamento, prévio ou posterior, que possa influenciar aquilo que vem de dentro. É o maior bem. Bom ou mau, é o que é. É o que apetece. Nem sequer é necessária a afinação, como dado minimamente exigível a um instrumento musical. Também não é necessário um código de palavras, o acerto e o formalismo da escrita. São só materiais e vontade.
Talvez seja difícil perceber. Mas sempre foi este o meu interesse e fascínio por este assunto. É pegar, fazer e tudo é válido.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Geniais


Soa a pretensioso, ainda por cima depois de os ver aí no vídeo. Quando o Nélson disse que fazíamos uma sonoridade parecida, ou do tipo, antes do upgrade, foi muito bom de ouvir.
Mas não postei estes génios por causa disso. Postei porque são muito bons de ouvir e ver, além de muito inspiradores.

Voltamos a competir

Uma grande notícia: Celso Roth saiu do Inter.
Agora o Inter tem a possibilidade de assumir a sua grandeza, outra vez, depois de amargar um brasileiro medíocre, um mundial que foi um descalabro, um gauchão sofrível (que ainda vamos ganhar) e uma Libertadores que está por um fio (e agora há esperanças). Roth ganhou foi a anterior Libertadores, com o time de Fossati. Grato, mas já não dava mais. A história patética da poupança de jogadores chega ao fim! Não há nenhum torcedor que não receba a notícia com um graças a Deus. Os gremistas, por seu turno, lamentam a saída, obviamente. A noção geral é a de que temos tudo, mas nos falta um técnico com vontade de ganhar e que fique chateado quando se empata com o Lajeadense ou se perde com o Jaguares, do México.
A semana passada o Muricy assinou pelo Santos e isso é uma pena muito grande. De novo não rola casamento com este técnico - depois de termos sido campeões de tudo, graças a ele também - por uma semana. Mas há alternativas: Falcão será, teoricamente e emocionalmente, a melhor delas. É de experimentar (a torcida quer e ele quer) e, aconteça o que acontecer, sempre guardar o respeito absoluto pelo grande maestro do Inter de Porto Alegre, Roma e seleção brasileira do fim dos anos 70. Acho que Falcão tem tudo para dar certo no Inter: o que vai acontecer é o retomar das nossas vitórias.
Na foto, o Inter campeão brasileiro em 1976, com Falcão. Seriam tri, em 1979.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Cineliterário

O meu telemóvel virou bloco de notas no Sarau Elétrico da última terça-feira, chamado "Cineliterário". O melhor que já fui.
Houve momentos muito bons:
- A leitura de um texto muito bom de Verissimo sobre Fellini;
- O Moreno detonando o filme Tróia, nos contando a história verdadeira, da Ilíada e Odisseia de Homero. Foi hilariante. Queria dizer algumas coisas em concreto, mas daí lembrei de quase todas e fiquei com preguiça;
- A leitura de um texto do Almodovar, quando ele ainda não era o cineasta famoso de hoje;
- A leitura do roteiro de Dolce Vita, de Fellini e de A morte em Veneza, de Visconti - na verdade o livro de Thomas Mann - e depois vimos as imagens;
- As imagens de um filme de Bunuel junto com Salvador Dali.
E mais um monte de coisas bacanas. Foi mesmo muito bom.
Agora posso apagar os "rascunhos" do meu celular.

receitas

Há quem veja a crise como uma bela oportunidade para destruir o Estado Social e criar mão de obra mais barata. Talvez sejam só estes os fundamentos para a irracionalidade e a obstinação das receitas que se querem aplicar, com a conversa de que se vai reduzir o défice e recuperar as economias.

terça-feira, 5 de abril de 2011

sobre formas

Tudo sem Professor ou Doutor à frente do nome, muito saudável.

A imposição de pagar impostos

Ele falou em relação de conflito que existe entre o contribuinte e o Estado, já que ninguém gosta de pagar os impostos, que o Estado impõe, de forma unilateral. Teoricamente isso é tudo falho para defender o que quer que seja na cadeira em causa, mas felizmente se ouviu.
Foi bom porque o debate avançou e várias pessoas defenderam o seguinte - e até me pareceu que o Luke Skywalker tinha entrado na sala: Não é verdade que haja imposição do pagamento de impostos. E quem é o Estado se não todos nós? E para que servem os representantes políticos? O Estado democrático precisa de ser financiado para as suas políticas públicas. Corrupção não é argumento. É argumentar com uma patologia que tem de ser combatida. E é preciso cultivar a educação fiscal, saber que se deve contribuir e que se deve exigir, com uma cultura muito mais interventiva da sociedade civil, que o nosso dinheiro seja bem investido. Sei que são palavras bonitas, mas há aí várias outras causas - e até utopias - saindo do papel porque se acredita nelas.
Complementarmente, é preciso limitar ao máximo o sigilo fiscal e o sigilo bancário (isso não foi dito, mas são duas coisas que atrapalham muito o desenvolvimento de uma sociedade mais justa, igualitária, onde todos contribuem e menos pessoas sonegam). É preciso haver fórmulas de controle dos rendimentos, transparentes, expeditas, claras, que não firam os interesses dos particulares - mas também não se pode deixar que os interesses particulares sejam tão particularizados que lhes permitam burlar a sociedade. Tem de haver uma forma de ultrapassar esta concepção que tem servido, basicamente, para manter as coisas estagnadas.
Enfim, foi um debate muito bom. Sai de lá um pouco mais esperançado.

Sobre palavras

Adimplir, de adimplemento.

Quanta falta de fair play

Realmente não foi de bom tom desligar a luz do Estádio da Luz e ligar o sistema de rega para impedir o Porto de festejar o seu título, conquistado na Catedral. É uma infantilidade, um acto de hostilidade e revela um enorme mau perder. É uma atitude completamente desprovida de fair play. O Benfica podia ter permitido, a bem da festa, que os jogadores portistas tivessem manifestado a sua alegria por mais um título conquistado.
Por isso tudo, acho que desligar a luz do estádio, complementando a façanha com o início do sistema de rega, foi uma belíssima ideia! Só não digo "a repetir" porque espero que nunca mais um benfiquista tenha de passar pela experiência traumática de ver o Porto conquistar um título jogando em nosso santuário.

sobre comunicações gigantes

Depois de vários posts grandes, deve ser difícil a vida de quem vem aqui neste blog. Deve reinar alguma incerteza. Haverá paz aqui, reflexões sintéticas, ou é melhor nem ir? Pior é um mail gigantesco que recebi sobre a Islândia no meu gmail. O pavor de receber e pensar que ia ter de ler aquela tese, se quisesse perceber o que estava ali, ficou mitigado à medida que ia passando a vista, sem ler nada daquilo, até que me deparei com o último parágrafo. O último parágrafo - o mais importante daqueles 20 - estava sublinhado. Foi o que li. Foi pura sorte a minha persistência de ir até ao fim para tentar entender o que estava ali.

domingo, 3 de abril de 2011

Curitiba

Estou em Curitiba, cidade bonita e simpática. Ontem estive em Ponta Grossa. Bacana estar aqui. Não estava no Paraná desde 1825, me parece. Hoje fui ao excelente Museu Oscar Niemeyer e à Ópera de Arame. Vale a pena visitar.