quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

2009 finito

Hoje termina 2009.
Um ano que teve coisas demais e algumas bem cansativas.
Mas que também teve coisas muito enriquecedoras.
No entanto, peço que 2010 seja mais pacato e menos exigente.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Mas a música não vai parar

Quando acontece um incêndio no edifício do Hot Clube, dói em toda a gente.

Acertos, erros e erros

Primeiro, frisar o acerto: o casamento entre pessoas do mesmo sexo será uma realidade em breve, porque, para além do Bloco de Esquerda (que viu a sua iniciativa chumbada pelo PS, há 6 meses atrás) o PS juntou-se a esta antiga reivindicação e apresentou a sua Proposta de Lei.
Mas é interessante o que se passa na Proposta do Governo. Se há coisas certas que se fazem com técnica certa, coisas certas que se fazem com técnicas erradas, e coisas erradas que se fazem com técnica certa, há coisas erradas que se fazem com técnica errada, como a Proposta faz quando trata da discriminação da adopção dos casamentos referidos, quando cria o obstáculo legal à adopção por parte destes casais.
Talvez seja vergonha, talvez hipocrisia, talvez preguiça, talvez nada disso. Mas mexem tudo à volta, na periferia, mas não vão lá ao Código Civil mexer na adopção. É uma técnica muito atrapalhada e que trará problemas, se não de um verdadeiro conflito legal, pelo menos de compreensão e de articulação de diplomas. Teremos de ir a uma lei alheia ao Código Civil para saber que a matéria da adopção neste Código tem artigos que não estão escritos correctamente?
E é óbvio que o pior não é a técnica, é a decisão política de não permitir a adopção por parte destes casais.
p.s. Evidentemente ainda há tanto por dizer, muita coisa ficou de fora. Mas não pretendo escrever nada gigante e nenhuma tese definitiva.

2010

Na verdade é como se, nestas semanas de fim de ano, já estivessemos em 2010. Quando temos de agir e fazer determinadas coisas só porque o ano está encerrando, já na lógica do novo ano, é como se já tivesse chegado o ano novo.
A partir do momento em que saco de uma agenda e marco 3 ou 4 compromissos e reuniões para 2010, não é porque 2010 já chegou? Difícil não? Deve haver debate filosófico sobre isso.
Isso, obviamente, não quer dizer que não vá aproveitar a passagem de ano para festejar. É só uma constatação da invasão de uma realidade por outra, ainda que de forma excepcional ou até meramente pontual. Ou nenhuma invasão e apenas um exercício blogal. Longe de mim querer tirar magia à festa de passagem de ano. Não compreendo e até tenho alguma pena de quem se poda a si mesmo nestes tempos de festas e esbanja a oportunidade de celebrar qualquer coisa. Festeje primeiro, questione depois. Haverá muito tempo para questionamentos ao longo do próximo ano.
P.S. Haveria muito a dizer sobre o Natal, algumas ideias bacanas, sobre as Festas nesta época do ano, que devem ser feitas, apesar de toda a intoxicação do consumismo desenfreado. Se tiver vontade nos próximos dias escrevo algo. Se não tiver não escrevo.

2010?

É incrível como o tempo passa correndo.
Parece que foi no fim de semana passado que fizemos a nota à cimeira Ibero-Americana e na verdade já faz quase um mês.
E isso já faz quase pensar que estou já em 2010.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Chuva

A chuva cai e me aconselha a ficar um pouco mais.
Hoje de manhã foi parecido. Fiquei a vê-la passar e foi uma excelente ideia. Nem um pingo de chuva me encontrou sem telhados.
Enquanto escrevo ela voltou a ir embora. Ótimo.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Salve Copenhague

Talvez a petição mais assinada de sempre.
E vale a pena assinar - Salve Copenhague: Um acordo para valer agora!

Água ou pedra?

Pedra ou água? Rígido ou flexível?
Uma quebra, a outra molda-se - pode, no entanto, evaporar.

Aminetu Haidar

Nem consigo escrever sobre isso. Tudo o que escreveria me pareceria pequeno, tudo me pareceria redundante.
Uma grande mulher, uma força da natureza, que vergou um (só um?) Estado.
Um exemplo de coragem, de força, de inteligência e de perseverança.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Vontade

Tudo está ao alcance de uma iniciativa, de uma vontade, de um acreditar. Compreendo que haja quem não entenda isso - só por não acreditar.
Tive uma grande ideia e ela deu frutos imediatos e quase num nada já avanço para outro parâmetro, que eu não tinha imaginado. Ainda são só ideias, mas é uma bola de neve de coisas boas que vai se formando.

Perceves na caixa de correio

Os gajos do 31 da Armada escrevem coisas mesmo engraçadas, como esta.
Só que eu não recebo o Ocasião pelo correio.

Portugal tremeu

Hoje de noite a terra tremeu e foi um susto. Estava lendo a página 61 dos "Espiões", de Luis Fernando Verissimo, nas Edições Dom Quixote, quando ele fala do "uruguaio" de Frondosa.
Não sabia bem o que fazer a não ser ligar para os mais próximos, perguntar se estava tudo bem e dizer para estarem atentos. Também destranquei a porta de casa (e isso foi o primeiro impulso) e de seguida pus uns ténis e com mais tempo vesti-me, para o caso de haver alguma réplica mais séria.
Deve-se fazer isso que está aqui, e ainda há uma nova teoria, que desmancha um pouco o link anterior, que é o triângulo da vida, que parece bem fundamentada na prática e na matemática.
Nunca tinha sentido um sismo tão forte. E pareceu-me um segundo só, apesar de falarem de 5 a oito segundos. Parecia que tinham dado um safanão na minha cama. Vi logo que era a terra a respirar, porque nunca tinha sentido nada igual.

Novos aqui

Novo link, da Rede de Brasileiras e Brasileiros na Europa, novos blogs, do Flávio Carvalho, que já foi coordenador da Rede, o blog 5 dias e o blog da Rádio Migrasons, onde já tive o prazer de dar duas opiniões, em dois programas, a última na emissão de Novembro de 2009.
Graças à Rede e ao Flávio, a gaveta dos Blogs e Links de Portugal teve de incluir um aditamento no título - para corresponder ao conteúdo - que diz "(...) e vizinhança europeia".

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Sobre participação, comodidade e cobrança

Participar é mais difícil do que cobrar. Convivo bem com isso, sabendo que essa realidade faz parte de tudo e está também relacionada com o meu actual papel.
É bem mais cómodo e fácil olhar e dizer do que não se gosta, sem precisar arregaçar as mangas. E, além de ser mais cómodo, não é na verdade necessário, apenas porque não deve ser requisito para opinar a participação efectiva. Estaríamos mal se assim fosse, apesar de ser melhor ver muitas pessoas participando. Tenho um pouco de pena de quem não participa mais e fica-se pelo verbo.
Sobre comodidade, eu próprio me corrijo, porque não estou no lugar que estou por comodidade. Estou porque há umas coisas nas quais acredito e que me fazem trabalhar por elas. Aliás, nunca precisei estar onde estou para fazer o que faço. E eu melhor que ninguém sei da temporalidade finita do que faço - talvez ninguém saiba com tanta precisão isso como eu sei - e de como me manterei activo de outra forma.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O Nobel da vergonha, espero que envergonhado

Obama envergonhou a sala (ou talvez não) quando recebia o Nobel da Paz e defendia em seu discurso a guerra justa. Nem vou dizer nomes a quem se podia perguntar se a sua guerra é justa, porque quero ainda esperar que Obama seja diferente. Mas o certo é que qualquer senhor da guerra que ganhasse o Nobel (ou não tivesse essa sorte, ou azar) ia dizer a mesma coisa, da justeza da sua guerra.
Não sei se não era melhor Obama ficar calado, porque a hipocrisia deste prémio ficou gritante com o envio de mais milhares de militares americanos para o Afeganistão. Mas, se não explicasse, talvez fosse pior. Tudo isso é, sem dúvida, lamentável. Não devia ter acontecido e pronto.
Enfim, antes Obama do que um republicano e do que vários democratas, mas agora estamos mesmo só no âmbito das comparações, das conquistas relativas e não mais do sonho.
Tudo bem, se estão abrindo as portas na saúde. Mas ainda falta muito: os imigrantes não regularizados, Guantanamo e, já agora, desfazer os males da guerra, da anterior e desta (facto novo) administração.

36 horas

Queria que o dia tivesse 36 horas.
8 horas a mais seriam para ocupar escrevendo, tocando, ouvindo música e lendo. Se eu não fizesse isso, não mereceria mais viver.
As restantes 4 horas devia ocupar com a matemática! Porque antes o post acabava duas frases acima. O que vale é que desliguei o computador e pus-me a fazer contas. Religuei (haverá este verbo?) e dediquei-me a este acrescento (e esta parte desta frase foi a última que pus, notem. Parece ser desenvolvimento, mas é fim!). Agora ficam sabendo, com esta extensa exposição (vejam bem es, ex, ex - não soa bem, devia mudar algo, por exemplo, "esta grande justificação" - ah pois é, soa melhor não é?) da minha questão (ão, ão - péssimo, sem alternativa às 00:46) ocorrida, mas não negligenciada, com a matemática, neste post (infelizmente não só neste post - mas assim fico mais protegido).
Não, agora mais a sério, as outras 4 seriam para visitar museus, ir ao cinema, ir ao Teatro, ir ao Crew Hassan, ao Bacalhoeiros, ao Guilherme Cossoul, à Zé dos Bois, à Ler Devagar e também para ajudar algum activista a organizar mais actividades culturais na Casa do Brasil (um link claramente discriminatório - porque os outros não tiveram direito?).

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Num instante e o peso

Depois de ler num instante o livro do Kurt, depois de ter lido Caim e antes o Manifesto Contra o Trabalho, estava começando a ler a Idade da Razão de Sartre.
Sartre está com azar. O seu livro pesa e estou com vontade de deixá-lo para outra altura.
De referir e enaltecer os últimos 3 livros que li. Foi muito bom, leram-se num instante.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Actas CBM

Aqui estão as actas da II Conferência Brasileiros no Mundo.
Falta uma coisa essencial, no entanto, que é a acta da plenária final (que ainda não existe), que introduziu algumas alterações na acta da representação política em poucas (assinaladas na acta em causa) matérias não consensuais, que por isso foram sujeitas a votos.

Libertadores

O Grupo do Inter na Libertadores vai ganhando forma.
Não consigo encontrar o Grêmio...

domingo, 6 de dezembro de 2009

Coisas complicadas

Brasil e Portugal ficaram no mesmo grupo da Copa de 2010.

Kurt Cobain

Adorei ler esse artigo, sobre a anomalia Kurt Cobain.
Quando Cobain morreu tinha eu 18 (acho que era isso, estou com preguiça de fazer contas). Eu não tinha ideia de como ele ia fazer falta.
Agora ando numa fase meio Nirvana, lendo um livro do Kurt e ouvindo o Unplugged da banda de Seattle. Mas não consigo gostar de todos os cds deles não.

Caim

Esta semana acabei "Caim" de José Saramago. Gostei.
3 ideias - com ou sem fundamento - despretensiosas:
1) Saramago não pode ser penalizado por ter livros geniais. É óbvio que é difícil escrever vários livros fantásticos como Saramago já o fez. Caim não é o melhor deles. Porque é difícil ultrapassar o que já fez;
2) Gostei muito do começo e desenvolvimento do livro. Não gostei tanto do fim. Achei interessante. O fim das "Intermitências da Morte" é espectácular, por exemplo. Deve ser difícil acertar tão bem num final como neste livro. Volto ao tópico n.º 1;
3) Saramago é Saramago, não há hipótese. É um génio, mesmo quando se mete numas polémicas extra-romance completamente desnecessárias.

Fechando este campeonato

Quero fechar o assunto Flamengo - Grêmio. Mas sou obrigado a documentar que vibrei por um gol do Grêmio. O do 1-0 frente ao Flamengo. Foi um gol insólito, festejado pelos colorados e provavelmente detestado pelos gremistas. Espero nunca mais ter de torcer para o Grêmio. Foi horrível. Eu torcendo pelo Grêmio e o Grêmio pelo Flamengo! Um constrangimento completamente surreal!
Após o gol do Grêmio, de imediato disse para os flameguistas na sala: "descansem que vocês vão virar". Não havia qualquer dúvida quanto a isso na minha cabeça. Na verdade, eu não compreendia muito bem o que estava acontecendo.
Porém, também não acreditava que o Grêmio nos desse um presente tão grande. Durante o jogo prometi: se o Grêmio ganhar ou empatar, irei respeitá-los para sempre. Não o fizeram, não lhes devo nada. Nada. Jogaram para perder com o time "b", nada mais. E devem ter marcado sem querer.
Por fim, dizer que não sei o que faria se tivesse de torcer para o Inter perder um jogo. E gostava de saber o que os gremistas iam pensando ao longo do jogo. Terão festejado o 2-1 do Flamengo?
Difícil isso tudo.

1301

30000 entradas no site e este é o post 1301.

Flamengo campeão - Inter na Libertadores

O Flamengo foi campeão, como já se esperava. Não houve milagre.
O Inter fez um mau segundo turno.
Vencemos por 4-1 o Santo André e o Grêmio perdeu - como desejava - no Maracanã.
E é isso, no próximo campeonato temos de ser melhores.
Mas fomos 2.º - não é pouca coisa. Somos um dos melhores times dos últimos brasileirões. Nós, o São Paulo e o Cruzeiro. É uma tranquilidade o Inter conseguir montar bons times ultimamente.
Para o ano espero um grande time. Com um técnico e com um ponta de lança bom.

Trinta mil entradas

É isso aí.
Quem diria.

Colocar a bandeira do Inter lá no alto!

E agora chega de conversa, vou tomar um café e me preparar para ver algum milagre acontecer.
Ou não acontecer e a vida segue, o Inter tem um bom time e agora até tem perspectivas de ter um técnico.
No entanto, deixo claro que retiro tudo o que disse se o Grêmio empatar ou ganhar o jogo.

Quem perde não é o Inter não

O Inter talvez (ainda com esperança em milagres) não ganhe o campeonato.
O Inter foi incompetente. Não podia ter perdido vários jogos fáceis.
Pode não levar de vencida hoje o jogo contra o Santo André.
O Inter pode perder o campeonato.
Mas o Grêmio perdeu o seu capital de credibilidade, pelo menos, perante 3 times.
Talvez valha a pena, não sei o que pensam os gremistas.

Antes do Flamengo - Grêmio V

Continuando o papelão gremista, o Grêmio chegou a ter de justificar-se perante a opinião pública, porque o Palmeiras ponderou iniciar uma acção na CBF para obrigar o Grêmio a escalar um time como deve de ser. O Grêmio disse na altura que ia colocar os melhores em campo.
Por isso, só viajou com 4 titulares para o Rio.

Antes do Flamengo - Grêmio IV

O Grêmio passou a ser um time que não é levado a sério no país inteiro. Ricardo Gomes, técnico do São Paulo, sofre com a conduta anti-desportiva do Grêmio, que coloca o São Paulo sem chances de ser campeão:
"É uma pena. Cada um gere sua casa da forma que acha melhor, acho que isso não deveria mais caber no futebol."

Antes do Flamengo - Grêmio III

O Grêmio vai fazendo esse papelão e acham que é bonito. Não tiveram vergonha nenhuma e até estão gostando. Isso é que me deixa mais intrigado nisso tudo, acho inominável.
Mas, por outro lado, há quem esteja ainda jogando a sério.
O Inter, o Palmeiras e o São Paulo, apesar do desrespeito do Grêmio às leis do jogo, ainda têm a hipótese matemática de levarem a taça.

Antes do Flamengo - Grêmio II

A mensagem anterior diz tudo.
Acredito mais num gol contra do Flamengo do que qualquer iniciativa gremista.

Antes do Flamengo - Grêmio

Metade do time do Grêmio que joga no jogo de hoje contra o Flamengo é estreante em jogos no Maracanã.
O Grêmio jogará apenas com quatro titulares. Nem se entende muito bem o que o time do Grêmio está fazendo no Rio.
Os torcedores do Grêmio já se sabe - estão comprando camisetas do Flamengo.
E, se houver um milagre e o Flamengo fizer um gol contra, os gremistas irão festejar o gol?

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Já se estava mesmo a ver

Teria sido um dia terrível se não tivesse já aprendido tantas coisas para trás.
É inominável certas estratégias. Ficam aflitos e inventam que afinal tudo está mal feito. Uma lástima.
Já tínhamos sido avisados. Já passei por isso no passado. Por isso custa menos. Porém, tenho pena que as coisas sejam assim. Era suposto um pouco mais de respeito e abertura de mente para as coisas andarem para a frente.
Talvez não seja bem isso que se pretende, para quem, perante uma nova solução, começa por dizer que tudo não presta.
Só que, em coerência com a minha primeira frase, vou dormir tranquilinho hoje. Talvez seja sinal de vacina. E é giro detectar que o que é novo e faz sentido determina quando atacam demais, por tudo e por nada, com tanta violência. Mentem e inventam lástimas, acusando injustamente porque já não tem como se defender.
Vão ficar sozinhos.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Rumos

É uma novidade com ar de coisa velha. Estes desafios que volta e meia lembramos que podem ser feitos, todo este mar para navegar. Esta vontade de deixar o vento nos carregar. Ou de partir em outra direcção, sem saber muito se os mantimentos dão para a viagem, contando ir se apetrechando pelo caminho.
As coisas materiais batem à porta então, com estrondo. Lembram que agora tudo tem de ter mais ou menos um rumo. O banco também reforça o recado, a conta do andar também.
To be continued
Tenho de dormir: por sono e porque amanhã tenho de acordar cedinho.