sábado, 23 de julho de 2005

Igual a todos os outros


No fim das contas, votar vale cada vez menos.
Fim das nossas contas, digamos.
Porque para as contas dos governantes, votar vale. Vale muito até.
Mas nós não precisamos sempre baixar a cabeça.
A grande questão é o que fazer?
De facto, Lula me deixou não só entristecido. Deixou-me sem alternativas. Quase sem esperanças, se ainda as tenho.
Me dei conta de uma coisa também: a sorte que tenho, uma vez que passei a votar em Portugal, deixando assim de exercer meus direitos políticos no Brasil.
Em Portugal, ainda há o espaço para o sonho, que Lula aniquilou no meu país de nascimento.
Porém, já perdi quase todas as ilusões.
Sei muito bem que nenhum partido que chega ao poder, tem margem para governar para o povo.
Mas vamos deixar uma coisa bem clara.
Uma coisa é não ter margem para governar, ser medíocre na actuação, ser incompetente. Tudo isto é triste, mau, mas desculpável e punido nas urnas, certamente. São as regras da democracia.
No entanto, bem diferente é se praticarem actos que todos sabemos que são ilícitos e vergonhosos.
Quem me dera que o governo de Lula fosse um governo de burros! Seria bem menos penoso do que ver que afinal são iguais aos outros todos que já governaram o Brasil.
Por favor me expliquem em quem se pode votar actualmente!
Alguém me diga, por favor, que outra possibilidade há que não seja votar em branco ou nulo, se até o governo dos trabalhadores faz negociatas!

1 comentário:

Fernanda disse...

Sabe, Gustavo... me sinto meio como vc, mas hoje tenho mais clareza que há sim pessoas mais sérias em determinados partidos, entretanto há SIM crápulas em todos os partidos...
No entanto, teimo em ter esperanças...